Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
15 de março de 2019, 16h30

Em Araraquara, prefeito aposta na participação popular contra a crise da democracia

Em entrevista à Fórum, Edinho Silva fala sobre a realização do I Congresso Internacional de Democracia Participativa, que acontece na cidade do interior paulista, e as iniciativas implantadas em sua gestão. “Temos a participação popular como concepção de organização de governo”, diz

Edinho Silva na abertura do Congresso de Democracia Participativa (Foto: Divulgação)

Começou na última quinta-feira (14) e vai até este sábado (16) o I Congresso Internacional de Democracia Participativa: Participação Popular e Economia Solidária, em Araraquara (SP), município localizado a 270 quilômetros da capital paulista. O evento realizado pela prefeitura, com apoio da Universidade de Araraquara (Uniara) e Faculdade de Ciências e Letras de Araraquara (Unesp), traz debates sobre ampliação de espaços e instrumentos de transparência, controle social, participação da população e fortalecimento da democracia.

Num momento, em que a democracia representativa parece estar colocada em descrédito, a atividade ganha ainda mais importância. “Neste momento o congresso acaba tendo um papel importante, ao demarcar qual é a resposta para este desafio que nós temos de superar essa crise de representatividade desse modelo de Estado democrático que se construiu durante o século 20”, afirmou à Fórum o prefeito de Araraquara, Edinho Silva (PT).

O congresso é realizado quando a população local é convidada a participar das plenárias do Orçamento Participativo, que tiveram início em fevereiro e vão até julho. Araraquara é uma das poucas cidades do país hoje que adotam a iniciativa em seu planejamento orçamentário, convidando a população a participar dos processos decisórios. Segundo Edinho, o OP foi implantado pela primeira vez em 2001, quando ele foi eleito prefeito da cidade. Ele foi reeleito, ficando no cargo até 2008. Desde 2016, Edinho está à frente do Executivo do município novamente, tendo a participação popular uma marca de sua gestão.

O I Congresso Internacional de Democracia Participativa levou para a cidade pensadores como Jorge de Sá, professor doutor da Universidade Lusófona de Lisboa, e o professor da UFABC Jessé de Souza, entre outros. Leia a seguir entrevista com Edinho Silva.

Revista Fórum – Qual a importância em debater a democracia participativa, principalmente num momento em que a democracia representativa é tão questionada?

Edinho Silva – Penso que é fundamental, exatamente por isso. Estamos vivendo uma crise do modelo de Estado na concepção democrática, daquilo que se desenvolveu como Estado democrático no século 20 e neste começo do 21. A crise é inegável, existe uma crise de representatividade, existe um fosso entre o eleito e o eleitor, um descrédito da democracia representativa, as pessoas se afastam da política, se afastam das instituições construídas por esse modelo de Estado. O voto não é obrigatório e temos visto a dificuldade de se mobilizar a sociedade para o voto, no caso brasileiro o nível de abstenção vem crescendo muito. E neste último período vemos o crescimento de candidaturas de negação do sistema. Então se a sociedade está se abstendo ou está procurando aquilo que nega o sistema é porque estamos vivendo de fato uma crise. Penso que esse modelo ruiu, e o novo modelo ainda não foi constituído. Não há um novo modelo para colocar no lugar, algo pronto, formulado, e nem sei se isso vai se dar dessa forma. Haverá uma mudança no desenho do Estado, e esse novo Estado vai sendo construído no processo. Mas a democracia direta, criando instrumentos onde a sociedade participa efetivamente do processo democrático, participa da política, dos processos decisórios, de construção e fiscalização das políticas públicas, me parece que é efetivamente o caminho para a construção desse novo modelo. Esse congresso que estamos realizando neste momento acaba tendo um papel muito importante para que a gente faça essa reflexão. O congresso tem por objetivo formular. Pensar e elaborar propostas.

Revista Fórum – Em Araraquara, o sr. tem adotado uma série de medidas participativas em sua gestão. Como tem sido o desafio? As pessoas estão preparadas para a participação popular?

Edinho – É exatamente isso. O Orçamento Participativo é uma bandeira antiga de democracia direta. Araraquara, desde que eu fui prefeito a primeira vez, em 2001, já exercita esse modelo. Neste momento da história que nós estamos vivenciando acaba assumindo um papel estratégico, não só para a democratização do processo decisório, mas quando estimula novas relações políticas, nas construções de políticas públicas. Porque não é só o Orçamento Participativo, são os conselhos municipais, as conferências, é a aprovação dos planos municipais nas conferências, são os conselhos com poder de fiscalizar a implantação desses planos municipais. Portanto, são conselhos fiscalizadores que acabam tendo um papel na elaboração das políticas públicas, mesmo porque eles zelam pela deliberação das conferências. O Orçamento Participativo acaba sendo aquilo que mais é visualizado pela sociedade, porque resolve o problema imediato da região e do bairro. Conseguimos materializar ali uma nova relação de poder e a construção de uma nova forma de gestão, de um novo desenho de modelo de Estado.

Revista Fórum – Na cidade, há mais de 20 conselhos municipais, o Orçamento participativo e diversas conferências. Qual a avaliação que os sr. faz dessas iniciativas implantadas?  

Edinho – A avaliação é positiva. Porque estamos vivendo uma crise de representatividade, um distanciamento da sociedade do aparelho de Estado, o descrédito da sociedade na política, nos processos decisórios, portanto um fosso entre representante e representado, todo esforço para diminuir esse distanciamento, a largura desse fosso, é positivo. E nós temos a participação popular como concepção de organização de governo. A orientação do governo é envolver a sociedade. O Orçamento Participativo que é anual passa por aí, assim como as conferências, a aprovação dos planos que na verdade é discutir as políticas públicas, não é só o investimento orçamentário, e a fiscalização dessas políticas públicas, por meio dos conselhos. Fortalecemos os órgãos fiscalizadores e os espaços de participação do servidor público municipal na gestão. É o servidor que tem que se apropriar da gestão, porque tudo isso que estamos falando, se ele não estiver incorporado na cultura administrativa, a chance de se desfazer é muito grande. Por isso, procuramos envolver o servidor público em todos os processos decisórios.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum