Fórumcast, o podcast da Fórum
02 de abril de 2019, 07h55

Em missa com viúva de Ustra, bispo teria dito que quer dar veneno de rato para Caetano Veloso

Após repercussão da "homilia", dom José Francisco Falcão, da Arquidiocese Militar, soltou nota dizendo que "em nenhum momento do transcurso da Missa fez-se alusão ao nome de qualquer cantor ou compositor"

Bispo dom José Francisco Falcão, da Arquidiocese Militar (Reprodução/Facebook)

Em missa na noite do dia 31 de março, aniversário do golpe de 64, com a presença de Joseita Brilhante Ustra, viúva do coronel Brilhante Ustra, o bispo dom José Francisco Falcão, da Arquidiocese Militar, disse que gostaria de “dar veneno de rato” para o músico Caetano Veloso.

Segundo informações da coluna Radar, da revista Veja, ao tratar de disciplina e hierarquia, o bispo disse que até mesmo as liberdades têm suas restrições. E citou uma canção de Caetano Veloso, “É proibido proibir”.

“E tem um imbecil que nos anos 70 cantou que é proibido proibir. Gostaria de dar veneno de rato para ele”, relatou o bispo na missa realizada na Paróquia Militar de São Miguel Arcanjo e Santo Expedito, em Brasília.

Após repercussão do caso, o bispo usou a página no Facebook Amigos de Dom José Francisco Falcão para dizer que “em nenhum momento do transcurso da Missa fez-se alusão ao nome de qualquer cantor ou compositor”.

“No transcurso da homilia, gravada em áudio, que comentou exclusivamente as leituras litúrgicas, ao se falar da atitude do filho pródigo ao abandonar a casa do Pai, em busca de uma liberdade sem proibição, aludiu-se ao correto significado de “liberdade”, que comporta um conjunto de restrições, portanto de proibições; de fato, dos dez mandamentos da Lei de Deus, seis são proibições. Daí que, na visão cristã, não se pode falar de “liberdade” e, ao mesmo tempo, de “proibição à proibição””, relatou o bispo.

Ele também negou que durante o “transcurso da Missa falou-se de “ditadura” ou de “golpe” ou se agradeceu a Deus por outro motivo senão pelos novos promovidos, um dos quais, o Gen. de Divisão Ayres, usou da palavra para agradecer a Deus”.

O bispo disse que a celebração foi realizada “em ação de graças unicamente pelas promoções dos oficiais generais do Exército Brasileiro”, sem alusão às comemorações do aniversário do golpe de 64.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum