Em recuperação da Covid, Edmilson Rodrigues sai da UTI e vai para quarto

O prefeito de Belém deu entrada em hospital no dia 6 de outubro

O prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL), usou as redes sociais neste sábado (16) para anunciar que deixou  Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e migrou para um quarto do Hospital da Beneficente Portuguesa do Pará.

“Olha, é com alegria que compartilho com vocês minha primeira foto depois de 10 dias de internação em um leito de cuidados semi-intensivos”, anunciou o prefeito da capital paraense no Twitter.

“Agora que estou em um quarto, e é possível registrar esse momento, quero aproveitar para agradecer aos profissionais de saúde, agradecer às orações e todas as manifestações de amor e carinho que tenho recebido neste período de tratamento. Já estou quase 100% recuperado, e logo estaremos juntos na luta para dar andamento na construção de uma Belém linda e melhor”, completou.

A notícia foi celebrada nas redes sociais do prefeito.

O mandatário municipal deu entrada no hospital em 6 de outubro para tratar a Covid-19. Ele havia testado positivo para a doença no dia 1º de outubro, mas precisou ser hospitalizado por conta da persistência dos sintomas.

Segundo o hospital, Edmilson ficou em um leito de isolamento recebendo medicação intravenosa, suporte ventilatório e outros cuidados médicos necessários. Na ocasião, a Fórum apurou que o psolista foi internado em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI), mas não precisou ser intubado.

Avatar de Lucas Rocha

Lucas Rocha

Lucas Rocha é formado em jornalismo pela Escola de Comunicação da UFRJ e cursa mestrado em Políticas Públicas na FLACSO Brasil. Carioca, apaixonado por carnaval e pela América Latina, é repórter da sucursal do Rio de Janeiro da Revista Fórum e apresentador do programa Fórum Global

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR