Assim a corrupção é zero! Empresas das Forças Armadas não serão auditadas pela CGU

Imbel, do Exército, e Amazul, da Marinha, não farão parte da auditoria da Controladoria-Geral da União que investiga rombo de R$ 44 milhões em pagamentos acima do teto. Militares que chefiam as estatais ganham mais do que isso

Empresas públicas ligadas ao Ministério da Defesa, como a Imbel (Indústria de Material Bélico do Brasil), controlada pelo Exército, e a Amazul (Amazônia Azul Tecnologias de Defesa), vinculada à Marinha, ficarão de fora de uma auditoria realizada pela Controladoria-Geral da União (CGU) que vem investigando um rombo de R$ 44 milhões só em pagamentos irregulares acima do teto para funcionários de estatais dependentes da União, que é de R$ 39,9 mil.

Ainda que as duas empresas e o Ministério da Defesa façam um malabarismo para tentar explicar por que as estatais não serão alvo da operação pente-fino da CGU, as suspeitas sempre recaem sobre a imensa autonomia e poder conferidos aos militares pelo presidente Jair Bolsonaro. O presidente da Imbel, general de Exército da reserva Aderico Visconte Pardi, recebe R$ 49,9 mil por mês, enquanto o presidente da Amazul, o vice-almirante da reserva Antônio Carlos Guerreiro, é agraciado com um salário de R$ 62,9 mil. Ou seja, os dois recebem acima do teto permitido por lei, justamente casos que se enquadrariam nas investigações realizadas pela CGU.

Oficialmente, a Controladoria-Geral da União afirma que a Imbel conta com uma legislação específica sobre controle de seus gastos. A desculpa parece tão esfarrapada que a própria estatal afirmou à reportagem da Folha de S.Paulo que sofre fiscalização por parte do órgão, além do Tribunal de Contas da União (TCU).

Já no caso da Amazul, a CGU alega em um de seus relatórios que a incumbência de fiscalizá-la, do ponto de vista financeiro, é da Secretaria de Controle Interno do Ministério da Defesa, pasta à qual é subordinada, ainda que a legislação brasileira defina a Controladoria-Geral da União como o órgão de controle central de toda a administração federal.

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR