“Esmola”: Caminhoneiros desafiam Bolsonaro e confirmam greve mesmo depois de promessas

Anúncio de auxílio de R$400 feito pelo presidente não convenceu; transportadores de combustíveis, os tanqueiros, já estão paralisados em MG

A greve de caminhoneiros marcada para o dia 1º de novembro está mantida. A promessa de Jair Bolsonaro de dar um “auxílio-diesel” de R$400 mensais para os trabalhadores autônomos da categoria não agradou e tem sido tratada por lideranças como “esmola”.

“O caminhoneiro não quer esmola, quer dignidade. Para as petroleiras (dão) um trilhão, para o caminhoneiro humilhação”, afirmou ao jornal Estadão Carlos Alberto Litti Dahmer, diretor da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transportes e Logística (CNTTL), confirmando que a greve em 1º de novembro está de pé.

Wallace Landim, presidente da Associação Brasileira de Condutores de Veículos Automotores (Abrava) e que liderou a greve de caminhoneiros em 2018, deu entrevista ao portal Metrópoles e foi na mesma linha: “Caminhoneiro não faz nada com R$ 400, com diesel na média de R$ 4,80. Os R$ 400 propostos pelo presidente não atendem as demandas dos caminhoneiros. Manteremos nossas demandas e greve em 1º de novembro”, declarou.

A a greve dos caminhoneiros em 1º de novembro deve ter abrangência nacional e é organizada pela CNTTL, Abrava e Conselho Nacional do Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC).

Medo de greve

Em situação cada vez mais difícil e agora refém de uma ameaça de greve por parte dos caminhoneiros, que até pouco tempo eram aliados de primeira hora, o presidente Jair Bolsonaro disse nesta quinta-feira (21) que pagará uma espécie de auxílio-diesel para 750 mil trabalhadores autônomos da categoria.

Só que há um problema: Com o orçamento estrangulado e às voltas com uma celeuma econômica por conta de seu desejo de furar o teto de gastos para turbinar eleitoralmente o Bolsa Família, o mandatário brasileiro não disse de onde vai tirar dinheiro para subsidiar os caminhoneiros.

“Nós vamos atender aos caminhoneiros autônomos. Em torno de 750 mil caminhoneiros receberão uma ajuda para compensar o aumento do diesel. É através deles que as mercadorias, alimentos, chegam aos quatro cantos do país”, prometeu o presidente.

Tanqueiros de MG cruzam os braços

Os caminhoneiros responsáveis pelo transporte de combustível no estado de Minas Gerais, conhecidos como tanqueiros, entraram em paralisação nesta quinta-feira (21). O movimento começou na madrugada e não tem previsão de término. 

Publicidade

Centenas de caminhões-tanque estão parados nas entradas das distribuidoras de Betim, na Grande BH. Eles exigem a redução do imposto para combustíveis e melhoria no valor dos fretes, de acordo com um dos participantes, que pediu para não ser identificado.

“A situação está péssima para o transporte, é complicado. O diesel é caríssimo, a manutenção dos caminhões, as peças, tudo muito caro. O pedágio. Os carros estão todos sucateados devido aos fretes ruins. São vários fatores”, explicou.

Publicidade

Circula a informação, ainda não confirmada, que tanqueiros dos demais estados da região Sudeste também aderiram à paralisação.

O Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo no Estado de Minas Gerais (Minaspetro) divulgou nota pela manhã sobre a manifestação. A entidade informou que apoia os caminhoneiros e avalia que, se o movimento durar mais de 24 horas, pode haver desabastecimento de combustíveis em postos com estoques mais baixos.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_