Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
23 de março de 2018, 16h28

Estudo da UFES responsabiliza MBL por veiculação de fake news sobre Marielle

Levantamento rastreou o caminho dos boatos e indicou que sites e perfis ligados ao MBL tiveram participação direta por viralizar as notícias difamatórias, como a que ligava a vereadora a Marcinho VP

Do período de sexta (16) até a noite desta quinta-feira (22), o link do site Ceticismo Político, que associava Marielle ao traficante Marcinho VP e à facção Comando Vermelho, foi compartilhado mais de 360 mil vezes no Facebook – Reprodução/Facebook

Um levantamento realizado pelo Laboratório de Estudos sobre Imagem e Cibercultura (Labic), da Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), e veiculado pelo jornal O Globo, responsabiliza o MBL (Movimento Brasil Livre) por divulgar notícias difamatórias sobre a socióloga e vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ), assassinada no último dia 14, no Rio de Janeiro. O estudo, de acordo com o blog Nocaute, rastreou o caminho dos boatos e indicou que sites e perfis ligados ao MBL tiveram participação direta por viralizar as chamadas fake news, como a que ligava a vereadora ao traficante Marcinho VP.

Do período de sexta (16) até a noite desta quinta-feira (22), o link do site Ceticismo Político, que associava Marielle ao traficante Marcinho VP e à facção Comando Vermelho, foi compartilhado mais de 360 mil vezes no Facebook. Esse foi o boato de maior repercussão envolvendo a vereadora nas redes sociais.

Em três dias, a informação divulgada pelo site no Twitter gerou mais de 1 milhão de impressões – número de vezes que a mensagem apareceu na linha do tempo dos usuários da rede social.

A publicação do Ceticismo Político foi a que teve a maior influência no debate, diz o pesquisador Fábio Malini, coordenador do Labic e autor do levantamento.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum