Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
07 de junho de 2018, 20h47

Feminicídio: Homem mata ex-namorada três dias depois de ser preso por agredi-la

O caso aconteceu no Distrito Federal: inconformado com o término, um homem agrediu a ex-namorada e chegou a ser preso, mas foi liberado no dia seguinte. Solto, dois dias depois, matou a ex-companheira a facadas

Reprodução

Em um típico caso de feminicídio, um homem do Distrito Federal assassinou a ex-namorada a facadas nesta quarta-feira (6). Tuane Morais, de 23 anos, foi encontrada já morta em sua casa no bairro Samambaia Norte, enquanto seu ex-namorado, Vinícius Rodrigues de Souza, tentava se matar. A polícia o encaminhou para o hospital.

De acordo com a Polícia Civil, o crime foi motivado pelo fato de Vinícius estar “inconformado” com o término do namoro. O assassinato, no entanto, não aconteceu de uma hora para outra. Três dias antes o suspeito já havia sido detido por agressão e tentativa de homicídio contra a ex-namorada.

Na ocasião, Vinicius desferiu socos e tentou enforcar Tuane na frente dos filhos pequenos do casal. Ele, inclusive, teria a ameaçado com um punhal. A mulher, então, acionou a polícia e o homem foi detido mas, apesar do flagrante, foi liberado no dia seguinte em uma audiência de custódia. O juiz Aragonê Nunes Fernandes, após a primeira detenção, entendeu que a medida protetiva concedida pela Justiça à Tauane era “suficiente” para a manter segura. Dois dias depois, no entanto, ela foi assassinada pelo mesmo ex-namorado.

Feminicídio

A lei que incluiu o feminicídio no código penal foi sancionada em 2015 pela ex-presidenta Dilma Rousseff. Se enquadram nesta tipificação crimes de ódio motivados pela questão de gênero e agravantes da violência doméstica. A lei é considerada um mecanismo importante para o mapeamento e, consequentemente, a prevenção deste tipo de crime no Brasil.

Leia também
A necessidade da tipificação do feminicídio


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum