Fórumcast, o podcast da Fórum
12 de junho de 2019, 12h36

Fiesp condiciona otimismo na economia a aprovação da reforma da previdência

Entidade concedeu honraria rara a Jair Bolsonaro e afirmou apoiar 100% o governo ao persistir no projeto que "zeraria o déficit público"

Presidente foi acompanhado de Paulo Guedes, ministro da Economia, defender a reforma da Previdência e outras medidas liberalizantes
Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Em evento de condecoração do presidente Jair Bolsonaro na sede da Fiesp, em São Paulo, nesta terça-feira (11), Paulo Skaf, presidente da entidade, condicionou o otimismo dos industriais paulistas à aprovação da reforma da previdência.

“Se aprovada, criará expectativa positiva necessária à economia. O objetivo é criar condições favoráveis para a retomada do crescimento e do consumo”, disse Skaf em seu discurso aos empresários presentes.

Em resposta, Bolsonaro deixou claro a relação com os empresários. “Os senhores podem até sobreviver sem governo, mas o governo sucumbirá sem os senhores”, disse o presidente, que recebeu da Fiesp a Ordem do Mérito Industrial São Paulo, completando: “Vamos cada vez mais buscar fazer um Brasil próximo do que são os Estados Unidos”.

O presidente também reclamou da pressão sofrida no cargo. “Me desculpem aqui a sinceridade: poucos resistiram às pressões que tenho sentado naquela cadeira presidencial. Quanto maiores as pressões, mais vontade eu tenho de continuar, com mais força continuo”.

Skaf ainda sugeriu que a reforma da previdência seria um primeiro passo para um pacote de reformas liberalizantes. “Sua aprovação abrirá portas para o ajuste fiscal, o combate ao desperdício, a modernização do Estado, a desburocratização, e a reforma tributária”, afirmou.

Em sua fala, além da pressão sofrida, o presidente disse respeitar o Congresso e citou nominalmente outros cinco ministros do governo, como Paulo Guedes (Economia), que o acompanhava no palco, e Ricardo Salles, ministro do Meio Ambiente.

“Ele está no lugar certo, fazendo o casamento entre o setor produtivo e o meio ambiente”, afirmou Bolsonaro, narrando ainda as orientações que deu ao ministro para flexibilizar o controle ambiental pela pasta:

“Disse ‘mete a foice em todo mundo, não quero xiita ocupando esses cargos’. Tem gente boa lá? Tem. Mas o homem do campo não pode se apavorar mais com a fiscalização”

Em nenhum momento Bolsonaro mencionou o ministro da Justiça, Sérgio Moro, exposto nesta semana por ter conduzido de forma coordenada com o promotor federal Deltan Dallagnol os julgamentos da Lava Jato


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum