Fórumcast, o podcast da Fórum
06 de setembro de 2019, 19h08

Fiscais de Crivella concluem que não há pornografia para crianças na Bienal

"Muitos livros", foi o que o subsecretário Wolney Dias disse ter encontrado

Os censores de Crivella na Bienal do Livro (Montagem)

A operação comandada pelo prefeito Marcelo Crivella de caçar livros que supostamente teriam conteúdo pornográfico voltado para crianças acabou reconhecendo o óbvio: esses livros não estão presentes na Bienal do Rio. Segundo os fiscais, o que foi alardeado não foi encontrado e não há previsões de uma nova operação.

O subsecretário de operações da Secretaria Municipal de Ordem Pública, o coronel Wolney Dias, ex-comandante da Polícia Militar, foi o responsável pela missão de procurar livros infanto-juvenis com conteúdo pornográfico. No entanto, ao final da operação, ele constatou que isso não foi encontrado.

Questionado sobre o que achou na Bienal, ele foi direto: “Muitos livros”. A prefeitura, então, informou que não foi achado pelo operativo nenhum livro pornográfico para menores de idade e que não há nova visita programada ao evento.

A polêmica começou na noite de quinta-feira, quando Crivella postou um vídeo em que dizia ter determinado aos organizadores do evento que recolhessem livros “com conteúdos impróprios para menores”. O alvo principal foi a história em quadrinhos da Marvel “Vingadores – a cruzada das crianças”. A publicação, que traz um beijo entre dois heróis, esgotou após a “ordem” de Crivella.

A tentativa de censura não foi aceita e organizadora, GL eventos, editoras e escritores se rebelaram contra a determinação autoritária para com livros de temática LGBT e não aceitaram determinações como a de lacrar e colocar “+18” em publicações com esse conteúdo. Segundo Leonardo Antan, autor de contos e romances LGBT, os leitores não se abalaram com a tentativa de cerceamento imposto por Crivella e o público agiu como nos outros dias da Bienal.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum