Fusão de departamentos de Artes Cênicas e Artes Visuais da UNESP gera críticas

"Um projeto transdiciplinar não se consegue com medidas administrativas autoritárias passando por cima de professores e suas linhas pedagógicas", destaca uma professora da universidade

Pelas redes sociais, docentes e alunos da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) criticaram nesta quarta-feira (11) a decisão tomada pelo Conselho Universitário (CO) da instituição de fundir os departamentos de Artes Cênicas e Artes Visuais. Essa junção está sendo vista como um desmonte e uma forma de acabar com os cursos. A universidade diz que a mudança faz parte de uma reforma acadêmica ampla, que está em discussão há mais de um ano.

Publicações feitas por professores no Facebook e no Instagram dão conta da insatisfação dos integrantes desses cursos. Uma docente de Artes Cênicas publicou que o objetivo “é a precarização da universidade pública, o fortalecimento de programas de educação à distância e o fechamento dos cursos”. Segundo ela, 40 fusões já foram determinadas, representando um “grande retrocesso para autonomia das áreas e das linguagens artísticas”.

A professora destaca ainda que isso é fruto de um processo mais antigo. Na decisão que definiu “uniões departamentais compulsórias”, foi usado como o argumento o fato desses departamentos terem menos de 10 professores, mas ela alerta que isso tem como origem a diminuição das contratações de docentes para os cursos.

“Um projeto transdiciplinar não se consegue com medidas administrativas autoritárias passando por cima de professores e suas linhas pedagógicas”, ressalta.

Foi convocada pelo Diretório Acadêmico Manuel Bandeira uma Assembleia extraordinária e emergencial no Instituto de Artes da Unesp, para quinta-feira (12), com o objetivo de debater a medida. Duas rodas de conversa também foram organizadas com o objetivo de debater o processo.

“O IA está sendo duramente afetado com a junção das áreas de artes cênicas e artes visuais. A alegação da reitoria é que todo departamento deve ter no minimo 10 professores contratados para existir. Hoje o DACEFC (dep. cenicas) tem 7 professores e o DAP (visuais) 9. O Instituto pede liberação de contratação de professores para a reitoria há anos que nunca são autorizadas. Ao invés de liberar contratações, a reitoria da Unesp prefere precarizar ainda mais a Universidade, fundindo departamentos e fechando cursos”, diz a convocatória da Assembleia.

Em resposta às críticas, a reitoria da Unesp afirmou, em nota, que a reorganização faz parte de reforma acadêmica que tem sido discutida há mais de um ano e não trará prejuízos à autonomia. “A reorganização em curso não acarretará nenhum prejuízo das atividades acadêmicas existentes: todos os docentes continuarão com suas funções normais e todos os alunos continuarão as atividades nos seus respectivos cursos”, diz.

Segundo a reitoria, foi realizado um estudo sobre a reorganização departamental com o objetivo de melhorar as suas atividades de ensino, pesquisa e extensão e algumas unidades já realizaram reestruturação e/ou fusão departamental. “A nova arquitetura departamental da Unesp tem por objetivo estimular que docentes com diferentes expertises se aproximem, aumentando a multidisciplinaridade, com reflexos diretos sobre o papel da instituição no mundo atual, melhorando sua interlocução com a sociedade”, afirma ainda.

https://twitter.com/blasfeme/status/1171839166365257731

https://www.facebook.com/damb.unesp/posts/1148653751997853?__xts__%5B0%5D=68.ARC6nwLvp4sW6YnbZjtQnEbCi2C3dyH2M0knC5cBrdBhcY4Zwr0xmimOcPPuMfIV8MiAkDesOlz_1pdJNWRQTFwaJfhRxeT0759wzfC2mvNgw_3FAgl0A7fx9Ou1RU-MWiLAyClM3ROXq8v5KNQMwrzTg6Xu_y7jBpg5qjCQu_2g4ugGgozg_hdlO3RFXnwybCVVQ9N4rX90rYXAkm3hSYHD5a8V_BvIENsSwib43Hgbluoxfi-8yFRQmS7T_0vgktkA-qd6jqeC2NE7U4XWCattsL9LfaJPSpHpM3d8OrhqNIiJaM47o8S51fXXpD9afRArIy98g5R6DBCfcrIkL0hFuQ&__tn__=-R

 

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR