Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de fevereiro de 2020, 21h17

Governador do Ceará apresenta PEC para proibir anistia a policiais amotinados

"Orgulhoso de meu governador! É assim que o poder democrático civil se impõe ao fascismo e ao milicianismo bandido", comemorou Ciro Gomes ao divulgar o ato de Camilo Santana (PT)

Reprodução/O Povo

O governador do Ceará, Camilo Santana (PT), apresentou nesta sexta-feira (28) à Assembleia Legislativa do estado uma Proposta de Emenda Constitucional (PEC) para proibir a anistia aos policiais que se envolveram e motins nos últimos dias.

“Não pode haver tolerância para esse tipo de atitude, que provoca sérios danos e coloca em risco a vida da população”, escreveu o petista ao anunciar a PEC, que deve ser votada e aprovada pelos deputados ainda neste final de semana, em uma convocação extraordiária.

“Orgulhoso de meu governador Camilo Santana! É assim que o poder democrático civil se impõe ao fascismo e ao milicianismo bandido que , como minoria violenta , suja a boa imagem e o respeito que a polícia deve merecer de nosso povo!”, comemorou o ex-governador do estado Ciro Gomes (PDT). 

No último dia 19, o também ex-governador Cid Gomes, irmão de Ciro, foi baleado por um dos policiais amotinados na tentativa de conter a mobilização ilegal. 

Há pelo menos onze dias que grupos de policiais passaram a aterrorizar o estado utilizando práticas típicas de milícias, com toques de recolher, violência e até mesmo incêndio de veículos. Eles também vêm tomando viaturas e rendendo policiais que se recusam a aderir aos motins. 

Esses grupos representam uma minoria da categoria que não aceitou um acordo sobre reajuste salarial feito pela maioria com o governo do estado. Uma das condições para que cessem a mobilização ilegal, agora, é a concessão de anistia irrestrita – algo que o governo já sinalizou que não vai conceder com a PEC enviada hoje por Camilo Santana à Assembleia. 

Sem conversa

Na última semana, o governador Camilo Santana determinou o afastamento de 168 policiais militares por participação no motim. O afastamento vai durar 120 dias e policiais deverão entregar a identificação funcional, distintivo, arma, algema e qualquer outro instrumento que identifique suas unidades.

A decisão também inclui a suspensão de salário a partir deste mês de fevereiro. Os PMs amotinados também devem passar por dois processos disciplinares: o primeiro deles envolve os inquéritos militares, cujo julgamento acontecerá na Justiça Militar. O segundo consiste no procedimento administrativo disciplinar realizado pela Controladoria Geral de Disciplina (CGD). 

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum