Governador do RS aciona MP contra Roberto Jefferson por homofobia: “Ofendeu a dignidade humana”

Aliado ao bolsonarismo, Jefferson chamou Eduardo Leite (PSDB) de "viado" e "calcinha cor-de-rosa" para criticar as medidas de restrição decretadas pelo governador

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite (PSDB), protocolou no Ministério Público do estado, nesta sexta-feira (19), uma representação contra o ex-presidente do PTB, Roberto Jefferson, por injúria e homofobia. Jefferson, que aderiu ao bolsonarismo recentemente, já é alvo de outras ações pelo mesmo motivo e é também investigado no inquérito dos atos antidemocráticos que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

O motivo da ação de Leite é o fato de Jefferson, em entrevista recente, ter o chamado de “viado” e “calcinha cor-de-rosa” em entrevista para criticar as medidas de restrição decretadas pelo governador para conter o avanço da pandemia do coronavírus.

“Eu diria até que não é uma coisa varonil você pegar uma vendedora de sorvete, espancar, prender. Não é uma coisa de homem viril. Eu diria até que é coisa de viado”, disse o ex-deputado ao comentar uma suposta prisão de um feirante que teria desrespeitado as regras em vigor.

“É uma agressão não exclusivamente a mim, mas a toda a sociedade. Manifestações que geram confronto, que geram discórdia, que são indignas, não podem ser toleradas”, afirmou Leite, em vídeo gravado em frente ao prédio do MP-RS para anunciar a representação.

A Defensoria Pública do RS, nesta quinta-feira (18), já havia repudiado as declarações de Jefferson. “A Defensoria Pública expressa sua solidariedade com toda a comunidade LGBT, com o senhor governador Eduardo Leite e com todos os gaúchos que clamam pela restauração da racionalidade no debate público”, diz nota do órgão.

Impeachment

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) anunciou, nesta sexta-feira (19), que foi protocolado um pedido de impeachment contra Eduardo Leite.

O pedido, segundo o parlamentar, é assinado pela advogada Maria Eduarda Kroef, que participará de uma live com ele para falar sobre a ação ainda nesta sexta-feira.

Publicidade

O anúncio de um pedido de impeachment contra Leite vem em meio à intensificação dos ataques por parte de seu pai, o presidente Jair Bolsonaro, a governadores. Isso porque os mandatários estaduais têm decretado medidas restritivas para conter o avanço da pandemia e colocando a culpa pela grave situação da pandemia vivida pelo Brasil no governo federal.

Nesta sexta-feira, pouco antes de Eduardo Bolsonaro divulgar o pedido de impeachment contra Leite, Bolsonaro voltou a disparar contra os governadores e anunciou uma ação no Supremo Tribunal Federal (STF) para derrubar as medidas de restrição encampadas pelos governos estaduais do Distrito Federal, da Bahia e do Rio Grande do Sul.

Publicidade

“Jamais decretaria o lockdown. E tem mais: o meu Exército não vai para a rua para cumprir decreto de governadores. Não vai. Se o povo começar a sair de casa, entrar na desobediência civil, não adianta pedir o Exército, porque meu Exército não vai. Nem por ordem do Papa. Não vai”, disse Bolsonaro, exaltado.

“O presidente coloca energia em conflito, confronto, em enfrentamento, desprezando a gravidade da pandemia, quando poderia estar colocando essa energia toda em ajudar, conseguir vacina para a população. Porque é isso presidente que a população precisa: vacina e não confronto como o senhor está estabelecendo”, disse o governador do RS em resposta.

Leite é tido como virtual candidato à presidência em 2022 pelo PSDB, ao lado de João Doria, governador de São Paulo, que também pretende concorrer. Ambos tem sido, recentemente, os dois governadores mais atacados pelo governo federal.

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR