Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
31 de janeiro de 2020, 17h40

Grupo do banqueiro Daniel Dantas aparece como o maior desmatador da Amazônia em ranking

"Os 25 maiores desmatadores da história recente do país são grandes empresas, estrangeiros, políticos, uma empresa ligada a um banqueiro, frequentadores de colunas sociais no Sudeste e três exploradores de trabalho escravo", diz levantamento feito pelo The Intercept Brasil em parceria com o De Olho Nos Ruralistas

Foto: Mayke Toscano/Gcom-MT

O The Intercept Brasil, em parceria com o De Olho Nos Ruralistas, publicou uma reportagem nesta sexta-feira (31) expondo os 25 maiores desmatadores da Amazônia nos últimos anos com base nas multas aplicadas pelos órgãos de fiscalização. No topo da lista está a empresa Agropecuária Santa Bárbara Xinguara, ligada ao banco Opportunity do banqueiro Daniel Dantas.

A reportagem, assinada pelos jornalistas Alceu Luís Castilho e Leonardo Fuhrmann, analisa autuações por crimes contra a flora de 1995 até 2019 e elenca 25 desmatadores que juntos devem R$ 50 milhões. “A imensa maioria deles jamais pagou suas multas e acumula outras dívidas com o poder público. Os valores, que são proporcionais à área desmatada, mostram que quem destrói a floresta não são as pessoas pobres, como defende Paulo Guedes”, aponta a reportagem.

“Os 25 maiores desmatadores da história recente do país são grandes empresas, estrangeiros, políticos, uma empresa ligada a um banqueiro, frequentadores de colunas sociais no Sudeste e três exploradores de trabalho escravo”, diz a publicação.

O levantamento coloca em primeiro lugar do levantamento o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), mas logo justifica: as multas a terras causadas por ação de grileiros recaem sobre a entidade a quem o terreno originalmente pertence. Levando em conta esta questão, o primeiro colocado é o grupo ligado a Daniel Dantas, principal credor e beneficiário do processo de privatização do governo FHC.

“Em 2009, a AgroSB, como é conhecida, declarava ser dona de mais de 500 mil hectares de terra, onde eram criadas mais de 500 mil cabeças de gado. À justiça, a empresa disse que não cometia desmatamento, mas que adquiriu áreas já degradadas”, pontua.

Estudo feito pelo departamento jurídico da Comissão Pastoral da Terra – CPT da Diocese de Marabá, em 2013, aponta que a Santa Bárbara possui pelo menos 50 mil hectares de terras griladas.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum