O que o brasileiro pensa?
28 de maio de 2020, 10h13

IBGE: Desemprego bate recorde e 70,9 milhões de brasileiros estão fora da força de trabalho

Segundo o IBGE, o desemprego subiu 1,3 ponto porcentual no trimestre encerrado em abril, em relação aos três meses anteriores, e chegou a 12,6%. Vários índices atingiram recordes negativos históricos

(Arquivo)

Em meio à pandemia do coronavírus e uma crise política sem precedentes, as taxas de emprego no país estão derretendo e atingindo recordes históricos, segundo dados revelados nesta quinta-feira (28) pela Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílio (PNAD), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

Segundo o IBGE, o desemprego subiu 1,3 ponto porcentual no trimestre encerrado em abril, em relação aos três meses anteriores, e chegou a 12,6%.

A população desocupada (12,8 milhões de pessoas) teve aumento de 7,5% (898 mil pessoas a mais) frente ao trimestre móvel anterior (11,9 milhões de pessoas).

Em meio ao isolamento social, decreto em grande parte do país para achatar a curva de expansão da Covid-19, 70,9 milhões de trabalhadores estão fora da força de trabalho, alta de 7,9% (mais 5,2 milhões de pessoas) em relação ao periodo anterior, e o maior da série histórica, iniciada em 2012.

A população desalentada (5,0 milhões) foi recorde da série, crescendo 7,0% em relação ao trimestre anterior.

Ocupação
O nível da ocupação (percentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar) caiu para 51,6%, o menor da série histórica iniciada em 2012, com redução de 3,2 p.p. frente ao trimestre anterior (54,8%) e de 2,6 p.p. frente a igual trimestre de 2019 (54,2%).

O número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado (exclusive trabalhadores domésticos) caiu para 32,2 milhões de pessoas, menor nível da série histórica, caindo 4,5% frente ao trimestre anterior e 2,8% frente ao mesmo trimestre de 2019.

Os dados relativos aos empregados sem carteira assinada no setor privado (10,1 milhões de pessoas) também bateram recorde, caindo 13,2% em relação ao trimestre anterior e 9,7% contra o mesmo trimestre de 2019.

Outra taxa que bateu recorde histórico foi a da informalidade, que chegou a 38,8% da população ocupada, representando um contingente de 34,6 milhões de trabalhadores informais, o menor da série, iniciada em 2016.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags