terça-feira, 22 set 2020
Publicidade

Jornalista diz que Clube Pinheiros proibiu atleta de falar sobre caso de racismo

O jornalista Demétrio Vecchioli, do blog Olhar Olímpico, afirmou em ruas redes sociais nesta sexta-feira (7) que o Clube Pinheiros proibiu o atleta de polo aquático, Leonel Diaz, de dar entrevistas sobre o caso de racismo que sofreu nesta manhã. O jovem foi questionado durante entrevista ao Bom Dia São Paulo, da TV Globo, se estava indo ao clube “pegar bolinhas” de tênis. Ele respondeu, no entanto, que era atleta.

A pergunta foi feita a pedido do apresentador Rodrigo Bocardi, que pratica tênis no clube. O questionamento foi visto como preconceituoso e racista, já que Leonel é negro e estava a caminho de clube de classe alta da cidade. “E eu tava achando que eram meus parceiros que me ajudam nas partidas”, disse o apresentador.

O clube é visto como um dos mais tradicionais de São Paulo. Um título de sócio desistente através de uma transferência de titularidade, no Pinheiros, pode custar até R$ 70 mil, além de ter que pagar uma mensalidade de R$ 420.

Leonel Diaz nasceu em Cuba e é sobrinho de um dos ícones do polo aquático no país, o também cubano Barbaro Diaz. O garoto comemorou 18 anos nesta quinta-feira (6) e exatos sete anos morando no Brasil, mesmo período que atua no Esporte Clube Pinheiros.

A Fórum tentou entrar em contato com o Clube Pinheiros para questionar o porquê da proibição de entrevista. Até então, não tivemos resposta.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.