Fórumcast, o podcast da Fórum
26 de setembro de 2018, 12h40

Justiça determina reintegração de demitidos pela Editora Abril

Com a decisão, 100 trabalhadores que foram demitidos do dia 8 de janeiro deste ano serão beneficiados. Em agosto último, a empresa demitiu mais 800 funcionários antes de ingressar com um pedido de recuperação judicial.

Editora Abril
Editora Abril. Foto: Divulgação

O Juiz do Trabalho, Eduardo José Matiota, determinou, em decisão proferida nesta terça-feira (25), que a Editora Abril deverá reintegrar todos os funcionários demitidos a partir de dezembro de 2017. Em sua decisão, Matiota acatou o pedido do Ministério Público do Trabalho e do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Estado de São Paulo, que alegam que as demissões foram ilegais.

“A entidade sindical não teve chances de discutir quais os trabalhadores que seriam demitidos, o que poderia causar menor impacto econômico e social. Do mesmo modo, nenhuma das propostas efetuadas pelo sindicado foram aceitas, ou seja, a “negociação” não foi apta a minimizar os drásticos efeitos da dispensa coletiva”, afirma o magistrado.

Na decisão, Matiota afirma ainda que a empresa deveria ter consciência de que os riscos do empreendimento recaem sobre o empregador, “não sendo razoável a maximização dos lucros e a socialização dos prejuízos, não se cumprindo sequer o mínimo exigido pela legislação em vigor”.

Com a decisão, 100 trabalhadores que foram demitidos do dia 8 de janeiro deste ano serão beneficiados. Em agosto último, a empresa demitiu mais 800 funcionários antes de ingressar com um pedido de recuperação judicial. A Editora Abril ainda foi condenada a recolher R$ 500 mil ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT) por danos morais coletivos e está proibida de demitir qualquer trabalhador “sem prévia e efetiva negociação coletiva”.

No dia 14 de setembro, funcionários demitidos da editora fizeram um ato público para entregar uma Carta Aberta à Família Civita e denunciar a “repulsa e indignação diante da dispensa em massa, no dia 6 de agosto, de 800 empregados que ajudaram a construir a história do Grupo Abril”. Só aos funcionários demitidos em agosto, a empresa deve R$ 110 milhões em encargos trabalhistas e pagamentos.

O Grupo Abril se manifestou por meio de nota:

O Grupo Abril informa que irá recorrer pelos meios cabíveis da decisão da Justiça do Trabalho publicada em 26/9, por meio do processo nº 1000446-88.2018.5.02.0061.

Joyce Camargo

FSB COMUNICAÇÃO


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum