segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Lucro com tragédia: Ambev lança cerveja cujo preço varia de acordo com o desmatamento

Proposta da marca Colorado Amazônica é que o preço caia quando o desmatamento diminuir, ou que aumente, quando o desmatamento se expandir. Resultados da gestão de Ricardo Salles não permitem supor que o produto será barato

A marca de cerveja Colorado Amazônica propõe uma novidade em sua estratégia de marketing que, aparentemente, visa aumentar a conscientização ambiental, mas que, na verdade é bastante “estranha”, para dizer o mínimo.

A ideia é fazer com que o preço do produto varie de acordo com o nível de desmatamento na Amazônia. Segundo a empresa Ambev, dona da marca, o parâmetro para definir o valor do produto será a média de desmatamento registrada nas últimas quatro semanas, segundo os dados atualizados semanalmente pelas autoridades oficiais.

“Quando reduz o desmatamento, cai o preço da cerveja e quanto menor a floresta, mais cara será a lata de Colorado Amazônica”, diz a nota da empresa que explica como funcionará o seu novo sistema.

O problema é que se essa regra for levada à sério, e considerando os números do desmatamento amazônico durante o governo do presidente Jair Bolsonaro e do ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles, não é possível supor que o produto será barato.

Inclusive, a primeira variação comprova essa situação: a Colorado Amazônica chegou ao mercado na primeira semana de setembro, com cada lata de 310 ml custando 5,49 reais, mas a primeira atualização do preço de acordo com a variação do desmatamento, que ocorreu na quinta-feira, fez o valor disparar para 8,01 reais.

Há quem considere essa uma forma de denunciar os estragos no meio ambiente. Para muitos outros, porém, parece ser uma forma de lucrar com a tragédia ecológica que o Brasil vive. Seja como for, a empresa garante que 100% da receita do produto será entregue a uma rede de comunidades indígenas, ribeirinhos e agricultores familiares do Pará. Também assegura que a cerveja tem fabricação artesanal e utiliza apenas ingredientes amazônicos.

Victor Farinelli
Victor Farinelli
Jornalista formado pela Universidade Católica de Santos, há 15 anos é correspondente na Argentina (2004 e 2005) e no Chile (desde 2006).