O que o brasileiro pensa?
27 de setembro de 2017, 17h18

Mais retrocesso: STF aprova catecismo nas escolas

A maioria da Corte votou para aprovar o ensino religioso do modelo “confessional”, aquele que permite ao educador influenciar os alunos e promover sua crença – o velho catecismo – em detrimento do modelo “não confessional”, aquele que se limita à exposição das diferentes crenças

Por Redação

O Brasil acaba de dar um passo que, a longo prazo, pode fortalecer ainda mais a intolerância religiosa. O Supremo Tribunal Federal (STF) aprovou por 6 votos a 5, na tarde desta quarta-feira (17), o ensino religioso de modelo confessional nas escolas públicas.

Através deste modelo, é permitido ao educador influenciar os alunos para promover a sua crença – o velho conhecido catecismo. Nesses moldes, é apresentada apenas a religião do professor e ele tem a liberdade “didática” para, na prática, “converter” os estudantes. Na maior parte das escolas brasileiras isso já acontece principalmente com as religiões cristãs – é o velho catecismo. Votaram nessa proposta, a vencedora, os ministros Alexandre de Moraes, Edson Fachin, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes e Cármen Lúcia.

A ação em julgamento foi apresentada pela procuradoria-geral da República, propondo que a obrigatoriedade nas escolas deveria ser a do ensino religioso no modelo “não confessional”, em que o educador limita-se à expor as diferentes crenças – sem excluir nenhuma, indo do catolicismo ao ateísmo ou ao agnosticismo -, suas histórias, particularidades e dimensões sociais. Votaram neste modelo o relator, Luís Roberto Barroso e os ministros Rosa Weber, Luiz Fux, Marco Aurélio Mello e Celso de Mello.

“O ensino religioso nas escolas públicas não pode nem deve ser confessional ou interconfessional, pois a não confessionalidade do ensino religioso na escola pública traduz consequência necessária do postulado inscrito na nossa vigente Constituição, da laicidade do Estado Republicano brasileiro”, disse Celso de Mello.

A proposta aprovada no STF é criticada também por especialistas. A fala abaixo, por exemplo, é da coordenadora executiva da Ação Educativa, Denise Carreira.

“Por força dos lobbies religiosos, a nossa constituição, apesar de afirmar a laicidade, tem esse anacronismo que é o ensino religioso. Nosso entendimento é que a religião, reconhecida a sua importância para grande parte da população, deve se dar nos espaços privados, da família e das instituições e grupos religiosos, mas não nas escolas públicas, que devem ser o espaço da pluralidade e respeito às diferenças de pensamento, inclusive de quem não professa nenhuma religião”.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum