Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de julho de 2019, 15h13

Moradores de rua do Rio de Janeiro recorrem a pombos para se alimentar

Segundo o Movimento Nacional de Populações em Situação de Rua (MNPR), há pessoas no Rio de Janeiro comendo pombos para sobreviver

Reprodução

Apesar da afirmação do presidente Jair Bolsonaro de que não há fome no Brasil, a situação de subalimentação voltou a se agravar até mesmo em grandes cidades. Segundo integrantes do Movimento Nacional de Populações em Situação de Rua (MNPR) há pessoas no Rio de Janeiro tendo que recorrer a pombos para se alimentar em meio a crise que vive a capital.

“Tem gente que está comendo mesmo, tem gente que está fazendo isso. Tem gente também que vai no final da feira pegar restos para poder comer. A situação está assim…”, disse Eli Carla, do MNPR, à Fórum. 

Eli Carla ainda analisou o cenário do Rio de Janeiro, criticando a atuação do prefeito Marcello Crivella. “Aqui no Rio, a população em situação de rua está passando por várias dificuldades. Inclusive, agora a situação está bem complicada, porque o prefeito mandou tirar as cobertas e a gente não sabe o que vai acontecer. Aqui no movimento a gente briga com todo mundo, mas, por mais que a gente fale, por mais que a gente brigue, o prefeito não se atinge”, declarou.

Veja também:  Ações policiais vão matar ainda mais até o fim do ano, diz secretário da Polícia Civil do RJ

Leia também
Tereza Campello: A fome está de volta, Bolsonaro

A Pastoral do Povo da Rua disse que a situação para eles é uma novidade, ao ser questionada pela Fórum. “Até hoje não nos chegou essa questão, essa novidade”,  disse Tânia Ramos, coordenadora arquidiocesana da pastoral.

Na sexta-feira (19), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que “passar fome no Brasil é uma grande mentira”, afirmando que o combate a esse problema é apenas “populismo”.


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum