segunda-feira, 21 set 2020
Publicidade

Muro de vidro da USP quebra pela 16ª vez em São Paulo

Pela segunda vez em menos de uma semana, um painel de vidro do muro que separa a marginal Pinheiros da raia olímpica da USP (Universidade de São Paulo) foi quebrado, na madrugada desta quinta-feira (2). É a 16a vez que o muro de vidro da USP é danificado. Cada placa é avaliada em R$ 4.000. Ainda não há previsão para monitoramento por imagem do muro. Segundo a Guarda Municipal, os danos ao muro da raia da USP ocorrem sempre no mesmo horário e dias: quinta sexta e domingo.

Inaugurado em 4 de abril, pouco antes do prefeito João Doria deixar a Prefeitura para se candidatar ao governo do Estado, o projeto de implantação das placas está estimado em R$ 15 milhões. O custo futuro de manutenção, porém, deve ficar com a USP. Para que o monitoramento funcione, a USP precisa providenciar uma conexão wifi para as câmeras.

O projeto foi muito criticado pela universidade, por uma série de motivos. É um projeto caro, cuja manutenção ficará a cargo da USP. Apesar da Prefeitura insistir na tese de vandalismo, a vibração causada pelo enorme tráfego da Marginal é a provável causa para a sequência de vidros danificados. Em testes realizados na prefeitura, os vidros (que seriam cinco vezes mais resistentes que os comuns) suportaram até batidas de martelo. A dúvida é se foi colocado na raia material idêntico ao do teste.

Além disso, a Prefeitura investe recursos de segurança na vigilância do muro: a Prefeitura chega a colocar até três carros da guarda no período noturno, além de haver vigilantes contratados pela USP que ficam no lado interno. Mesmo com o policiamento preventivo, os incidentes continuam a se repetir desde a inauguração do muro de vidro, em abril.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.