Fórumcast, o podcast da Fórum
07 de setembro de 2019, 21h53

“Não vai ter censura”: público da Bienal protesta contra fiscalização de Crivella

Confira o vídeo do momento em que manifestantes gritam contra a nova tentativa de fiscalização da prefeitura do Rio

Foto: Reprodução/Twiter

O público da Bienal do Livro do Rio fizeram ato contra a nova tentativa de censura do prefeito Marcelo Crivella contra obras de conteúdo LGBT no evento. “Não vai ter censura”, gritaram os manifestantes, erguendo livros e bandeiras no espaço em que ocorre a Bienal.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Com novo aval do Tribunal de Justiça (TJ), a Secretaria Municipal de Ordem Pública do município chegou por volta das 18h deste sábado (7) na Bienal do Livro para tentar novamente a fiscalização e censura de obras LGBT no evento. Os agentes foram recebidos por Marina Zahar, vice-presidente do Sindicato Nacional dos Editores de Livros, que tentará argumentar contra a fiscalização diante do alto número de frequentadores que estão no evento.

Igor Pires da Silva, autor de um dos livros mais vendidos da Editora Globo, “Textos cruéis demais para serem lidos rapidamente”, estava dando autógrafos na Bienal no momento em que o ato começou. “Se fere nossa existência, seremos resitência. Ato incrível aqui na Bienal”, escreveu. “Abandonamos as sessões de autógrafos e estamos aqui protestando. Que momento!”, completou.

O youtuber Felipe Neto, responsável por distribuir 14 mil exemplares de livros com temática LGBT na Bienal, também compartilhou um vídeo mostrando o protesto no evento. “Público saindo da Bienal com o livro LGBT em mãos e protestando contra os agentes da censura que estão lá nesse momento. Isso é resistir!!!”, escreveu.

Confira os vídeos:


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum