Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
29 de outubro de 2019, 23h19

Novas manchas de petróleo são encontradas em 19 pontos do Nordeste

As concentrações de petróleo cru reapareceram em oito praias de cinco estados da região: Búzios, no Rio Grande do Norte; Conceição e Itapuama, em Pernambuco; Japaratinga e Piaçabuçú, no Alagoas; Abaís, em Sergipe; e Morro de São Paulo e Moreré, na Bahia

Foto: Adema/Governo do Sergipe/Divulgação

Do Portal Veg

Novas manchas de óleo foram vistas em 19 localidades do litoral do Nordeste. A Marinha informou estar mobilizando equipes, junto ao Ibama e à Agência Nacional de Petróleo (ANP) para atuar na remoção do material.
As concentrações de petróleo cru reapareceram em oito praias de cinco estados da região: Búzios, no Rio Grande do Norte; Conceição e Itapuama, em Pernambuco; Japaratinga e Piaçabuçú, no Alagoas; Abaís, em Sergipe; e Morro de São Paulo e Moreré, na Bahia. O óleo foi avistado pela Marinha em 19 pontos diferentes dessas praias.

A reincidência do material traz preocupações quanto às consequências ambientais e à dificuldade de limpeza dos locais. Para tentar justificar a omissão do governo em relação à tragédia ambiental, o ministro da Defesa, General Fernando Azevedo, declarou ao Estadão que não é possível saber ainda se o derramamento continuará a reincidir por mais tempo ou não. “A duração do tempo, nós não sabemos ainda. Estamos aperfeiçoando os processos”, disse. Segundo ele, o governo está atuando desde o dia 2 de setembro. “Nosso objetivo é a contenção de danos, o monitoramento pela água e pelo mar. Todas estão sendo limpas imediatamente quando constatadas todas as manchas de óleo”.

Últimos dias para você apoiar a grande reportagem da Fórum no rastro do Óleo das Praias do Nordeste. Bora contribuir!

Danos irreversíveis

O petróleo já atingiu pontos críticos como os manguezais, e a população tem se mobilizado para ajudar na limpeza das praias. Os especialistas acreditam que os danos são severos e, em alguns ecossistemas, podem ser irreversíveis.

De acordo com o Grupo de Avaliação e Acompanhamento (GAA), formado pela Marinha, pela ANP e pelo Ibama, as manchas têm avançado em direção ao sul da Bahia. A Marinha afirmou, ainda, que está investigando 30 navios, provenientes de 11 países diferentes, na busca pela possível origem do material. O número inicial de embarcações investigadas era de 1.500. Análises químicas do petróleo derramado já confirmaram que o óleo não é brasileiro.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum