Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
29 de julho de 2018, 14h17

Para Gilmar, Jungmann tem que se pronunciar sobre atuação da PF na UFSC

PF abriu investigação para apurar supostas declarações críticas à delegada que comandou a Operação Ouvidos Moucos na UFSC, que culminou com o suicídio do ex-reitor Luiz Cancellier

A investigação da PF sobre um professor de jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) por supostas críticas a uma delegada que comandou operações da Lava Jato já gera reação no Supremo Tribunal Federal (STF) e no meio jurídico.

“O ministro Raul Jungmann [da Segurança Pública] tem que se pronunciar”, diz o ministro Gilmar Mendes, do STF.  Para Gilmar, Jungmann deixaria um bom legado dele se instalasse o Estado de Direito na PF.”

A PF abriu a investigação contra Aureo Mafra Moraes, chefe de gabinete da reitoria, depois de tomar conhecimento de um vídeo com entrevistas dele num evento da universidade.

O professor não faz referência à PF. Mas cartazes afixados no recinto criticavam a Operação Ouvidos Moucos e “agentes públicos que praticaram abuso de poder contra a UFSC e levaram ao suicídio do reitor” Luiz Cancellier. Preso em 2017,  ele se suicidou.

“Não bastasse a truculência da operação que levou à prisão e, posteriormente, por conta dela, à morte do reitor, agora querem sufocar a liberdade de crítica numa demonstração ímpar de autoritarismo”, diz o criminalista Alberto Toron.

Com informações da Folha


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum