Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
24 de fevereiro de 2019, 22h00

“Pensei que ele ia ajudar”, diz mãe de jovem assassinado por segurança

A esteticista Dinalva Oliveira afirmou que ela e outras pessoas se sentiram intimidadas pelos seguranças. "Se eu agarrasse ele, o outro segurança estava com a arma me olhando. Fiquei intimidada, assim como todos ficaram", relatou.

Segurança que matou jovem estrangulado no Extra, Davi Amâncio (Reprodução)

A esteticista Dinalva Oliveira, mãe de Pedro Henrique, 19 anos, o jovem que foi sufocado até a morte por Davi Amâncio, segurança de um supermercado no Rio de Janeiro, disse em entrevista ao Fantástico que no início ficou “tranquila” quando o filho se afastou correndo dela e se aproximou de Davi.

Dinalva relatou que ela e o filho foram ao supermercado comprar um microondas.”Quando eu estava pegando a nota fiscal, ele correu em direção ao segurança e eu fui atrás. A impressão que deu é que ele queria pedir ajuda. Eu fiquei até mais tranquila, o segurança vai me ajudar. Se meu filho estiver tendo um surto a ambulância vai chegar e vai acudir meu filho”, relatou ela.

Pedro Henrique já havia sido usuário de drogas. Dinalva explicou que nos últimos dias o jovem andava agitado e, preocupada, ela marcou uma consulta em uma clínica de tratamento de saúde mental e para dependentes químicos na região serrana do Rio. Depois do supermercado, os dois viajariam para lá.

No entanto, ao contrário da expectativa da esteticista, o filho não recebeu ajuda. “Quando jogou no chão e caiu em cima dele, eu fui tentar olhar e tirar. O segurança me deu um solavanco. Quando voltei, vi meu filho totalmente … ele estava contido. As mãos dele estavam ficando sem movimento, os braços sem movimento. Ele pegou o braço e começou a ir contra o pescoço do meu filho. Eu falei ‘moço, por favor não machuque ele, ele é meu filho’. Ele falava ‘cala a boca’”, relatou Dinalva.

A esteticista afirmou, ainda, que ela e outras pessoas se sentiram intimidadas pelos seguranças. “Se eu agarrasse ele, o outro segurança estava com a arma me olhando. Fiquei intimidada, assim como todos ficaram, porque eu tenho certeza que a vontade das pessoas que estavam ali também era salvar  meu filho”, afirmou.

Após o segurança finalmente sair de cima de Pedro Henrique, Dinalva checou os batimentos cardíacos dele. “Eu fui a primeira a ter um pingo de esperança e colocar a mão onde pudesse sentir algum batimento. Ele perdeu o olhar naquele momento”, contou a mãe, emocionando-se.

As câmeras do circuito interno mostram que nem Davi, nem os outros seguranças prestaram socorro ao jovem. Dinalva afirma que questionou o segurança sobre o que fizera com Pedro. “Quando eu olhei para ele, falei ‘por que você matou meu filho?’ e ele ficava olhando para mim como se tivesse razão”, disse.

Davi Amâncio já tinha sido condenado por agressão à ex-companheira e não poderia ser segurança. Ele teve o registro cassado e está respondendo em liberdade por homicídio culposo, quando não há intenção de matar.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum