Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
18 de novembro de 2019, 23h12

Pesquisadora e colunista da Fórum listou 334 células neonazistas no Brasil

O estado com mais células é São Paulo, com 99 grupos (28 na capital), seguido por Santa Catarina (69), Paraná (66) e Rio Grande do Sul (47), conforme levantamento da antropóloga Adriana Dias

Foto: Polícia CivilDivulgação

Uma pesquisa realizada pela antropóloga, pesquisadora e colunista da Fórum, Adriana Dias, descobriu a existência de 334 células neonazistas no Brasil. Grande parte se localiza nas regiões Sul e Sudeste. No entanto, existem registros em cidades como Fortaleza (CE), João Pessoa (PB), Feira de Santana (BA) e Rondonópolis (MT), de acordo com informações do blog do Pichonelli, no UOL.

Os grupos se dividem em até 17 movimentos, entre hitleristas, supremacistas/separatistas, de negação do Holocausto e até em três seções locais da Ku Klux Klan (KKK), duas em Blumenau (SC) e uma em Niterói (RJ).

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

O estado com mais células é São Paulo, com 99 grupos (28 só na capital), seguido por Santa Catarina (69), Paraná (66) e Rio Grande do Sul (47).

Os dados em relação à extensão dos grupos espalhados pelo Brasil são parte de um levantamento ainda inédito feito pela antropóloga da Unicamp, pioneira nas pesquisas sobre a ascensão da extrema direita nos anos 2000. Os números completos da pesquisa serão publicados em um livro em breve.

“Normalmente, no Brasil, as células não se conhecem, não se conectam, a não ser as grandes. São grupos de pessoas que conversam, que se reúnem, e eu localizei essas reuniões por sites na internet, blogs ou fóruns. Nenhum deles tem uma corrente única. Eles leem autores que, pelo mundo, brigam um com o outro”, explica Adriana, em contato com o blog.

“A própria leitura de textos nazistas é uma violência. Mas há também células que defendem pancadaria contra homossexuais”, relata.

Extensão

Durante entrevista ao portal da Unicamp, Adriana mostrou a extensão do problema. Os grupos, segundo ela, promovem uma postagem antissemita no Twitter a cada quatro segundos. Ela já calculou que há uma postagem em português contra negros, pessoas com deficiência e LGBTs a cada oito segundos.

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum