quarta-feira, 23 set 2020
Publicidade

PMs acusados da chacina de cinco jovens em Costa Barros, no Rio, taparam câmera de segurança

Uma série de vídeos obtidos com exclusividade pelo jornal EXTRA e divulgados neste domingo (15) mostra um dos PMs acusados do assassinato de cinco jovens dentro de um Palio branco, em Costa Barros, na Zona Norte do Rio, em 2015, tapando uma câmera de segurança próxima ao local dos homicídios poucos minutos antes dos crimes.

A câmera, entretanto, chegou a filmar os agentes colocando dentro de uma viatura engradados de cerveja que haviam sido roubados. O júri de um dos PMs — o cabo Fábio Pizza Oliveira da Silva — está marcado para o próximo dia 24.

Copo plástico

O início do vídeo mostra uma viatura da PM sendo estacionada na frente do estabelecimento. Os policiais desembarcam. Depois, um dos agentes, o cabo Oliveira, pega dois engradados cheios de cerveja dentro da oficina e os leva para a viatura. Em seguida, o cabo e o sargento Márcio Darcy Alves dos Santos pegam os engradados e os colocam novamente no chão da oficina.

Cerca de 16 minutos depois, o soldado Thiago Resende Viana Barbosa entra na oficina, percebe que uma câmera filmava os policiais e avisa os demais, apontando para o aparelho. O cabo Oliveira olha na direção da câmera e ri. Às 22h32, Resende volta ao interior da oficina, deixa seu fuzil no chão, se apoia na parede e coloca um objeto — que parece ser um copo de plástico — na frente da lente, impedindo a filmagem do restante da ação.

Os assassinatos dos jovens aconteceram a poucos metros da oficina. Segundo os depoimentos dos policiais na 39ª DP (Pavuna) após o crime, eles haviam ido ao local para recuperar um caminhão de cerveja que havia sido roubado e levado até ali. As imagens põem em xeque os relatos de três dos agentes, que afirmaram na delegacia que toda a carga de cerveja havia sido saqueada antes da chegada dos PMs.

Mais de 80 tiros

Os cinco amigos que estavam no Palio naquela noite e foram mortos são Wilton Esteves Domingos Júnior, de 20 anos, Carlos Eduardo Silva de Souza, de 16, Wesley Castro Rodrigues, de 25, Roberto Silva de Souza, de 16, e Cleiton Corrêa de Souza, de 18.

Exames de necrópsia mostram que, dos 40 disparos que acertaram os jovens, 21 os atingiram nas costas.

Joselita de Souza, mãe de Roberto, um dos cinco amigos, morreu em julho de 2016. Segundo parentes, a cabeleireira não suportou a morte do filho e morreu de tristeza.

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.