terça-feira, 27 out 2020
Publicidade

Polícia do Pará persegue ONGs sob acusação de incendiar Amazônia

Duas ONGs localizadas na região de Alter do Chão, no Pará, foram alvo de operação da Polícia Federal nesta terça-feira (26) sob acusação de terem sido responsáveis pelos incêndios de setembro na Floresta Amazônica. Mandados de busca e apreensão foram cumpridos e quatro pessoas foram levadas em prisão preventiva. Organizações apontam tentativa de deslegitimação promovida pelo governo.

A Brigada de Incêndio de Alter do Chão e o Projeto Saúde e Alegre foram surpreendidos com a Operação Fogo do Sairé, que levou quatro voluntários brigadistas presos e revirou documentos das duas entidades. Reconhecidas por atuar no combate ao fogo e na promoção de ações de saúde, as organizações receberam a solidariedade de outros projetos que atuam na região e acusaram a polícia de promover uma operação política.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Em nota, a Brigada destacou que atua em conjunto com o Corpo de Bombeiros e promove a formação de seus voluntários junto à corporação. “Em agosto de 2019 houve um segundo curso dado pelos Bombeiros Militares, Defesa Civil e Secretaria Municipal do Meio Ambiente e Turismo de Belterra que culminou com a formação de mais nove brigadistas voluntários”, destaca.

“Estamos em choque com a prisão de pessoas que não fazem senão dedicar parte de suas vidas à proteção da comunidade, porém certos de que qualquer que seja a denúncia, ela será esclarecida e a inocência da Brigada e seus membros devidamente reconhecida”, diz ainda o texto. Os quatro presos são acusados de promover um incêndio que eles mesmo apagaram.

Advogados responsáveis pela defesa dos acusados estão trabalhando pela soltura imediata e afirmam que essa prisão preventiva não cumpre com os requisitos do Código de Processo Penal.

Caetano Scannavino, coordenador do Projeto Saúde e Alegria, lamentou a situação. “É uma situação kafkaniana, um pesadelo. O que a gente percebe claramente é uma ação política para tentar desmoralizar as ONGs que atuam na Amazônia. É muito preocupante”, afirmou à Folha, que destaca que o projeto já recebeu diversos prêmios pela sua atuação na região.

Em nota, o Saúde e Alegria ainda afirmou que a Polícia Civil não apresentou nenhuma justificativa para o cumprimento dos mandados de busca e apreensão.

Bolsonaro e as ONGs

Desde que as queimadas viraram assunto mundial, o presidente Jair Bolsonaro tem tentado culpar indígenas e voluntários que atuam na região com o objetivo de se eximir da responsabilidade de resguardar a floresta e poupar madeireiros que possam ter colocado fogo na mata. Segundo a Polícia Federal, um grupo de fazendeiros pró-Bolsonaro realizou um “Dia do Fogo” em agosto como forma de homenagem ao presidente.

 

Redação
Redação
Direto da Redação da Revista Fórum.