Entrevista exclusiva com Lula
03 de dezembro de 2019, 07h11

Polícia limitou acesso de parentes a corpos de jovens assassinados em Paraisópolis

Laudos do IML apontam "asfixia mecânica" em mortes no baile funk, mesmo com relatos de disparos e agressão por parte dos policiais

Reprodução/Facebook

Parentes dos jovens assassinatos durante operação policial em um baile funk de Paraisópolis, Zona Sul de São Paulo, relatam dificuldade em acessar o corpo das vítimas no Instituto Médico Legal (IML). Um tio da estudante Luara Victoria Oliveira, de 18 anos, disse que teve dificuldade para ver o corpo da sobrinha. Ela foi enterrada na tarde desta segunda-feira (2) no Cemitério Campo Belo, na Zona Sul da capital paulista.

“Eles mal deixaram a gente ver ela. Não descobriram todo o corpo porque estava todo machucado. A gente deu uma olhada e eles pediram pra gente sair”, afirma ele.

Pelo menos dois laudos do IML apontam a mesma causa de morte para as vítimas do massacre do último domingo (1). Segundo a avaliação, Luara e Dennys Guilherme dos Santos Franco, de 16 anos, morreram por “asfixia mecânica por sufocação indireta”, ou seja, foram sufocados.

Em entrevista à revista Época, Patrícia Maceratesi Oliveira, tia de Luara, disse não acreditar na versão da polícia de que as vítimas morreram pisoteadas durante a confusão. Familiares de Dennys Guilherme têm a mesma visão sobre o ocorrido. Dennys foi velado e enterrado no Cemitério da Vila Formosa, na Zona Leste da capital paulista. Ele trabalhava como jovem aprendiz em uma empresa de telemarketing e também estudava.

 

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum