Entrevista exclusiva com Lula
20 de novembro de 2019, 18h25

Porteiro do condomínio de Bolsonaro muda depoimento sobre caso Marielle

O funcionário inocenta Bolsonaro e diz que foi pressionado a acusá-lo, sem, no entanto, apontar de onde vinham tais pressões

Condomínio Vivendas da Barra (Reprodução)

Em novo depoimento prestado pelo porteiro do condomínio Vivendas da Barra nesta quarta-feira (20), o funcionário afirmou à Polícia Federal que registrou de forma incorreta o nome de Jair Bolsonaro no livro da portaria e se sentiu “pressionado” a falar sobre Jair Bolsonaro na primeira vez que foi procurado pelas autoridades.

Conforme revelado pelo ‘Jornal Nacional’, da TV Globo, nos dois depoimentos dados à Polícia Civil, o porteiro afirmou que um dos envolvidos no assassinato da vereadora Marielle Franco, morta em 14 de março de 2018, esteve no condomínio do presidente Jair Bolsonaro no dia do homicídio e se registrou como visitante de Bolsonaro. No entanto, o acusado (Élcio Queiroz) teria visitado o policial militar Ronnie Lessa, apontado como o autor dos disparos que mataram Marielle.

Ao desmentir o que havia dito anteriormente, o funcionário afirmou que foi “pessionado”, sem, no entanto, dizer que promoveu tal pressão, o que coloca em dúvida essa “correção”. Logo que o JN divulgou as versões anteriores, a Família Bolsonaro, o ministro da Justiça, Sérgio Moro, a PGR e o Ministério Público do Rio trataram deslegitimar o porteiro.

O colunista Ricardo Noblat, da Veja, questionou esse depoimento. “O  porteiro disse à polícia que nos seus depoimentos anteriores havia citado “seu Jair” porque se sentira “pressionado”. Perguntado sobre quem o pressionou, respondeu que ninguém o pressionou. Se ninguém pressionou o porteiro por que ele disse que se sentiu pressionado? O porteiro respondeu que se sentiu pressionado por ele mesmo. Entenderam? A polícia não entendeu. Mas deixou pra lá”, publicou em seu Twitter.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum