Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
14 de fevereiro de 2019, 12h36

Presidente da Vale chama de acidente o crime em Brumadinho e diz que mineradora é uma “jóia”

“A Vale é uma jóia brasileira, que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu em uma de suas barragens, por maior que tenha sido a tragédia”, disse Fábio Schvartsman

Presidente da Vale, Fábio Schvartsman (foto: Arquivo)

O presidente da Vale, Fábio Schvartsman, disse nesta quinta-feira (14), na Câmara dos Deputados, que, por questões de agilidade, os gestores locais da empresa “têm total autonomia para tomar decisões” relacionadas a risco iminente nas barragens. Segundo ele, “não há envolvimento” dos altos escalões “pelo simples fato de que nunca haveria tempo de envolvê-los em um processo desse tipo”. O tempo todo, ele se referiu ao rompimento como “acidente”.

Leia também: Em minuto de silêncio pelos mortos de Brumadinho, presidente da Vale é o único a não se levantar

“Todo o sistema operacional é um sistema de delegação. Com tantas barragens espalhadas pelo mundo, não é possível que seja necessária uma burocracia para decidir se tem que reagir rapidamente a um problema de barragem. Isso tem que ser feito no local, com independência e com muita agilidade. Em Brumadinho, como em todos os outros locais que a Vale opera, os gestores locais têm total autonomia para tomar decisões”, afirmou a deputados.

Schvartsman afirmou, ainda, que a Vale não construiu a barragem na Mina Córrego do Feijão, tendo adquirido-a da empresa Ferteco em 2001. “A Vale não utiliza o método de construção a montante [mais barato e menos seguro] de barragem nenhuma. Algumas barragens adquiridas foram a montante, como é o caso dessa da Ferteco. Não obstante, passando por todos os processos de monitoramento, de forma à gente ter convicção de que nada aconteceria”, declarou, reiterando que, desde Mariana, está desativando barragens do tipo.

No entanto, em um determinado momento, Schvartsman falou como se a Vale não tivesse relação com a barragem de Mariana. “Em 70 anos, nunca havia havido um problema de barragem. O primeiro acidente de barragem da Vale aconteceu agora em Feijão.” A Samarco, empresa responsável por Mariana, é um consórcio entre a Vale e a companhia britânica BHP Billiton.

‘Joia’

O executivo fez um apelo aos parlamentares pela preservação da Vale. “A Vale é uma joia brasileira, que não pode ser condenada por um acidente que aconteceu em uma de suas barragens, por maior que tenha sido a tragédia”, disse.

O presidente da Vale afirmou ainda que pediu a intermediação do governo brasileiro para entrar em contato com o US Army Corps of Engineers, o órgão norte-americano responsável pelo licenciamento de barragens. Schvartsman disse que o objetivo é que o órgão visite a Vale e revise os processos da empresa brasileira, “eventualmente colaborando no aperfeiçoamento do código de mineração”. O executivo também quer realizar um “seminário” sobre o tema.

Schvartsman disse que, desde o rompimento da barragem de Brumadinho, a Vale passou a fazer o monitoramento de todas as suas estruturas a cada 24 horas e declarou não ter ideia dos motivos da tragédia. “Todas as informações que nós possuíamos e que nos eram enviadas pelos técnicos da Vale, demonstravam que não havia qualquer perigo eminente sobre aquela barragem. Se nós tivéssemos tido qualquer sinal relevante nessa direção teríamos agido.”

O presidente da Vale foi convidado a prestar esclarecimentos pela comissão externa instalada na Câmara para acompanhar os desdobramentos do rompimento da barragem em Brumadinho. Nesta quarta (13), o número de mortos na região foi atualizado para 166 pessoas. Um total de 155 pessoas seguem desaparecidas.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum