Promotoria vai à Justiça contra lei de Doria que cortou isenção de IPVA de pessoas com deficiência

Ação civil pública diz que medida, que excluiu 80% dos beneficiados por lei anterior, é discriminatória e inconstitucional e criou “categorias distintas de deficientes”

O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) protocolou nesta quarta-feira (13) na Justiça uma ação civil pública pedindo a imediata suspensão do pagamento do IPVA para contribuintes deficientes do estado de São Paulo. Lei sancionada pelo governador João Doria (PSDB) de dezembro de 2020 limitou a isenção que era concedida a pessoas com deficiência por legislação de 2008. A legislação excluiu do benefício 80% dos contribuintes que se declaravam com deficiência.

No pedido de tutela antecipada, o promotor Wilson Tafner alega que a nova lei, de iniciativa do Executivo estadual, é inconstitucional e discriminatória.

Até o final do ano passado, a isenção do IPVA era regida pela lei estadual 13.296/08. Ela dizia que um veículo de propriedade de pessoa com deficiência física, visual, mental severa ou profunda ou autista deveria ser isento de IPVA.

Mas a regra foi substituída por uma nova, a 17.302/20. Nela, a previsão de isenção é para “um único veículo, de propriedade de pessoa com deficiência física severa ou profunda que permita a condução de veículo automotor especificamente adaptado e customizado para sua situação individual”. Ela ainda prevê que haja isenção a veículo de propriedade de pessoa com deficiência que impossibilite que ele o conduza. Nesse caso, o veículo deverá ser dirigido por “por condutor autorizado pelo beneficiário ou por seu tutor ou curador”. A lei traz um adendo em relação à anterior: estabelece sanções em caso de fraudes comprovadas.

Argumentação

Depois de descrever as duas leis, o promotor escreve, na petição, que, “sob o pretexto de combater fraudes (escamoteando, na verdade, sanha arrecadatória)”, a nova lei “gerou, concretamente, situação de absoluta discriminação inconstitucional”.

Tafner não nega que existam fraudes e defende, no texto da ação, que elas sejam combatidas. No entanto, prossegue ele, a “leniência/incapacidade do Estado de fiscalizar e punir os fraudadores NÃO pode ser usada como desculpa” para criar uma lei que ele define como discriminatório e inconstitucional. Em sua visão, a nova regra criou“categorias distintas de deficientes”.

Ele prossegue na argumentação, dizendo que todos sabem do momento fiscal delicado que o estado atravessa devido à pandemia da Covid-19. No entanto, escreveu o promotor, “não é às custas de se praticar inconstitucional discriminação contra pessoas deficientes que se deve buscar aumentar a arrecadação do Estado!”.

Notícias relacionadas

Avatar de Fabíola Salani

Fabíola Salani

Graduada em Jornalismo pela Universidade Metodista de São Paulo. Trabalhou por mais de 20 anos na Folha de S. Paulo e no Metro Jornal, cobrindo cidades, economia, mobilidade, meio ambiente e política.

Em 2021, escolha a Fórum.

Todos os dias Fórum publica de 80 a 100 matérias desde às 6h da manhã até à meia-noite. São 18h de textos inéditos feitos pela equipe de 10 jornalistas da redação e também por mais de três dezenas de colaboradores eventuais.

E ainda temos 3 programas diários no YouTube. O Fórum Café, com Cris Coghi e Plínio Teodoro, o Fórum Onze e Meia, com Dri Delorenzo e este editor, e o Jornal da Fórum, com Cynara Menezes. Além de vários outros programas semanais, como o Fórum Sindical, apresentado pela Maria Frô.

Tudo envolve custos. E é uma luta constante manter este projeto com a seriedade e a qualidade que nos propomos.

Por isso, neste momento que você está renovando suas escolhas e está pensando em qual site apoiar neste ano, que tal escolher a Fórum?

Se fizer isso, além de garantir tranquilidade para o nosso trabalho, você terá descontos de no mínimo 50% nos cursos que já temos em nossa plataforma do Fórum Educação.

É fácil. Clique em apoiar e escolha a melhor forma de escolher a Fórum em 2021.

Renato Rovai
Editor da Revista Fórum

APOIAR