Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
28 de julho de 2019, 17h28

PSOL divulga nota de apoio ao povo Wajãpi após ataque de garimpeiros contra os indígenas

Em nota, partido afirma que Jair Bolsonaro e o Estado brasileiro são responsáveis por qualquer violência contra o povo Wajãpi

O Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) divulgou uma nota de apoio ao povo Wajãpi neste domingo (28). Os indígenas foram atacados por garimpeiros que invadiram aldeias e suspeitos de matar o líder Emvra Wajãpi.

Segundo nota divulgada pelo Conselho das Aldeias Wajãpi, o chefe do grupo foi encontrado na região da aldeia Waseity, próxima à aldeia Mariry, na segunda-feira (22). O povo Wajãpi então encontrou sinais de que o assassinato foi cometido por não-indígenas fora da região das aldeias.

Um grupo de garimpeiros armados então invadiu as terras indígenas e se instalaram na aldeia Yvytotõ, ameaçando os moradores. Mulheres e crianças fugiram para Mariry para se proteger.

De acordo com o cacique Viseni Wajãpi, cerca de dez garimpeiros ainda estão na aldeia invadida. Segundo o comunicado do Conselho, um grupo da Polícia Federal e do BOPE chegou até a região neste domingo para prender os invasores, mas ainda não há informações sobre a efetividade da ação.

Em nota, o PSOL lamentou o “ataque brutal” contra o povo Wajãpi, no Amapá. O partido disse que o ataque faz parte da “série de violências” que os povos indígenas do Brasil  sofrem desde que Jair Bolsonaro foi eleito em 2018.

O PSOL também se pronunciou duramente contra a falta de ação ou pronunciamento do presidente desde que foi divulgado o assassinato do líder Wajãpi e da invasão cometida pelos garimpeiros. “O Estado brasileiro e o governo Bolsonaro serão responsáveis por qualquer violência contra o povo Wajãpi”, diz o comunicado.

Confira a nota publicada pelo PSOL:

“Mais um ataque brutal aos povos indígenas e dessa vez a vítima é o povo Wajãpi, no Amapá. Cerca de 50 garimpeiros fortemente armados atacaram nos últimos dias a aldeia Mariry, do povo Wajãpi, localizada no município de Pedra Branca do Amapari, matando a facadas pelo menos uma liderança indígena chamada Emyra Wajãpi, 68 anos. É grande a ameaça de banho de sangue se não houver uma imediata intervenção do Estado brasileiro. O bando criminoso aterroriza a população indígena, invadindo suas moradias e espancando mulheres e crianças e destruindo as plantações.

Este ataque é mais um da série de violências que os povos indígenas do Brasil vem sofrendo desde o dia que Bolsonaro ganhou a eleição em 2018. Esse desrespeito aos direitos indígenas decorre diretamente do discurso e da prática criminosa do governo Bolsonaro, que claramente se coloca contra os povos originários e estimula a invasão das terras ancestrais e das unidades de conservação por grupos mineradores, madeireiros, grileiros de terras da União, todos interessados na exploração ilegal e predatória das riquezas da floresta.

O PSOL, através do seu Encontro Nacional Ecossocialista, manifesta irrestrita solidariedade ao povo Wajãpi, ao mesmo tempo em que exige que o Estado brasileiro adote todas as providências para proteger a integridade física deste povo originário, com a imediata retirada dos invasores, bem como clama pela apuração rigorosa a fim de localizar e punir, na forma da lei, executores e mandantes do brutal assassinato de Emyra Wajãpi.

Cobraremos cada gota de sangue derramado!

O Estado brasileiro e o governo Bolsonaro serão responsáveis por qualquer violência contra o povo Wajãpi.

Basta de chacinas!

Encontro Nacional Ecossocialista do PSOL

28 de julho de 2019


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum