PSOL quer plebiscito para população decidir o que fazer com a estátua de Borba Gato em SP

Estátua que homenageia assassino de indígenas foi incendiada em um ato político e, diante do debate aberto sobre o tema, partido apresentou projeto na Câmara dos Vereadores da capital paulista

O mandato coletivo Bancada Feminista do PSOL na Câmara dos Vereadores de São Paulo (SP) protocolou nesta sexta-feira (30), junto à Mesa Diretora da Casa, um Projeto de Decreto Legislativo (PDL) com o objetivo de se convocar um plebiscito para que a população decida o que fazer com a estátua de Borba Gato, que fica na Zona Sul da capital paulista.

O monumento, que homenageia um bandeirante assassino de indígenas do século 18, foi incendiado em um ato político no último sábado (24) e, desde então, o debate sobre o tema tem dominado as discussões nas redes sociais.

Publicidade
Publicidade

O ativista Paulo Galo, que compõe o grupo Revolução Periférica, que reivindica a autoria do ato, foi detido na última quarta-feira (28) e segue preso.

A ideia da Bancada Feminista do PSOL, que é composto por Silvia Ferraro, Paula Nunes, Carolina Iara, Natália Chaves e Dafne Sena, é que a população de São Paulo escolha se quer manter ou retirar a estátua.

Publicidade

“A intenção do projeto, segundo as proponentes, é ampliar o debate sobre o tema e garantir que a população participe da tomada de decisão, pois as autoridades competentes nada fazem para impedir que espaço público seja um local de exaltação da história racista e genocida que marca a formação do país”, diz o mandato coletivo.

“O mandato coletivo apoia outras iniciativas relacionadas à substituição de monumentos, estátuas, placas e homenagens a escravocratas e higienistas que tramitam nas Casas legislativas municipal, estadual e federal. Em São Paulo, a estátua do Borba Gato representa a exaltação aos bandeirantes, sertanistas do período colonial que buscavam riquezas minerais como ouro e prata, indígenas para escravização e destruição de quilombos, em nome da Coroa Portuguesa”, prosseguem as covereadoras, que ainda manifestaram repúdio à prisão de Paulo Galo.

Publicidade

“A resposta do Estado pela via da criminalização é a pior possível. O debate sobre o racismo estrutural na nossa sociedade foi colocado pelo movimento negro muito corretamente. Ou enfrentamos esse debate com o conjunto da sociedade ou o Estado estará apenas reproduzindo sua violência contra os povos negros e indígenas”, afirma Paula Nunes, uma das integrantes do mandato coletivo.

Confira abaixo a íntegra do Projeto de Decreto Legislativo.

Publicidade

Notícias relacionadas

Publicidade

Avatar de Ivan Longo

Ivan Longo

Jornalista, editor de Política, desde 2014 na revista Fórum. Formado pela Faculdade Cásper Líbero (SP). Twitter @ivanlongo_

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR