Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
22 de março de 2019, 12h04

Rejeitos contaminados pela Vale em Brumadinho atingem rio São Francisco e provocam morte de peixes

Estudo feito pela Fundação SOS Mata Atlântica, entregue a deputados e ao Ministério Público, mostra que limpeza do velho Chico pode levar décadas

Cenário deixado pela Vale em Brumadinho (Foto: Alex Lanza/MPMG)

Os rejeitos da barragem do Córrego do Feijão, que rompeu no dia 25 de janeiro, já atingem a bacia do Rio São Francisco causando a morte de peixes e, em alguns pontos, deixando a água imprópria para consumo da população. Responsável pelo crime, a Vale cria obstáculos para cumprir acordo para pagamento de auxílio aos atingidos de Brumadinho, segundo o Ministério Público de Minas Gerais.

As informações são do relatório O retrato da qualidade da água nas bacias da Mata Atlântica, publicado nesta sexta-feira (22), pela Fundação SOS Mata Atlântica.

A ONG recolheu amostras de água em 12 pontos do rio, entre os dias 8 e 14 de março, e constatou que nove deles estavam em condição “ruim” e três em situação “regular”.

No trecho a partir do Reservatório de Retiro Baixo, entre os municípios de Felixlândia e Pompéu, em Minas Gerais, até o Reservatório de Três Marias, no Alto São Francisco, a turbidez (transparência da água) estava acima dos limites legais definidos pela Resolução 357 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) para a qualidade da água doce superficial.

“Além disso, as concentrações de ferro, manganês, cromo e cobre também estavam acima dos limites máximos permitidos pela lei”, disse ao El País, Malu Ribeiro, assessora da S.O.S. Mata Atlântica, especialista em água.

A pesquisadora explica que há possibilidade de limpeza do São Francisco, mas que isso vai depender da capacidade dos reservatórios de Três Marias e Retiro Baixo, que devem funcionar como barreira para conter os rejeitos mais pesados, e de um plano das autoridades para recuperar as nascentes da região.

“É um processo que pode levar décadas”, afirma Ribeiro.

Ela e companheiros da ONG entregaram o relatório à Câmara dos Deputados e ao Ministério Público na quarta-feira e pretendem retomar a expedição para conversar com os ribeirinhos.

“Nosso objetivo é levar respostas e instrumentos para as comunidades que não estão sendo informadas dos riscos que correm”, diz a especialista.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum