Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de fevereiro de 2018, 09h15

Rosa Weber nega dois mandados de segurança contra intervenção no Rio

Pedidos feitos por advogados questionavam constitucionalidade do decreto que dá a um general o controle da Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro

Foto: Dorivan Marinho / SCO / STF

A ministra do Supremo Tribunal Federal (STF), Rosa Weber, negou no final da noite desta sexta-feira (16) dois mandados de segurança contra o decreto de Temer determinando uma intervenção federal no Rio de Janeiro. A medida, que ainda passará por aprovação do Congresso, dará ao Exército o controle de toda a Segurança Pública do estado e congelará qualquer votação na Câmara.

Um dos pedidos, assinado pelo advogado Rafael Evandro Fachinello, é questionada a constitucionalidade da medida, visto que haveria uma “incompatibilidade” na atuação do governador do estado e do interventor, que será o general Walter Souza Braga Netto.

“Ele [o interventor] representa o Presidente da República. Apenas um pode controlar o Estado-membro. Não existe corpo com duas cabeças. Ainda, do ponto de vista administrativo, a segurança pública não pode ser dissociada das demais Secretarias de Estado. É de conhecimento público que a administração de uma entidade, pública ou privada, deve ser feita como um todo, jamais por partes. É um corpo. Uma cabeça. A Constituição prevê divisão temática para fins organizacionais. A divisão em secretarias tem função de organização das tarefas administrativas. Limitar o poder do interventor à uma seara que não pode ser dissociada das demais reflete a falta de luz que permeia os Chefes de Governo”, disse.

Já a segunda petição é assinada pelo advogado Carlos Alexandre Klomfahs e também vai no sentido de questionar a constitucionalidade do decreto. De acordo com Klomfahs, “não foram consultados o Conselho da República nem o Conselho de Defesa Nacional”, conforme prevê a Constituição.

“O princípio maiúsculo da Constituição que é a soberania popular que se, e somente se, concretizarse-ia após o pronunciamento de seis cidadãos natos maiores de 35 anos, nomeados pelos Presidentes da República, do Senado e da Câmara dos Deputados. A ausência do pronunciamento deste Conselho macula indelevelmente o futuro ato presidencial”, pontuou.

A ministra, por sua vez, se recusou a dar prosseguimento à análise dos pedidos pois o processo, de acordo com a Constituição, só poderia ser impetrado por partido político com representação no Congresso Nacional ou por organização sindical, entidade de classe ou associação legalmente constituída e em funcionamento há pelo menos um ano, em defesa dos interesses de seus membros ou associados.
“Não se extrai congruência necessária para se ter por autorizada a iniciativa, em termos de legitimidade . Não conheço do mandado de segurança, indeferindo a inicial”, afirmou Rosa Weber.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum