Seja #sóciofórum. Clique aqui e saiba como
17 de fevereiro de 2020, 20h11

Saiba quais foram as três previsões econômicas mais furadas de 2019

Projeções feitas por economistas do mercado ou de entidades empresariais em dezembro de 2018 e janeiro de 2019 para o ano que se iniciava não se concretizaram

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Por Marcos de Oliveira

Final de ano, início de ano, é tempo de renovar promessas. No caso da economia, lançar projeções que passarão longe da realidade. O levantamento a seguir mostra as previsões feitas por economistas do mercado ou de entidades empresariais em dezembro de 2018 e janeiro de 2019 para o ano que se iniciava:

1 – Economia (PIB)

O crescimento do Produto Interno Bruto de 2019 ainda não foi divulgado pelo IBGE. O IBC-Br, calculado pelo Banco Central, mostrou crescimento de modesto 0,89%. Os mais otimistas, hoje, não falam nem em repetir a mediocridade do Governo Temer, com elevação de 1,3%.

A Confederação Nacional da Indústria estimava para 2019 alta de 2,7%, podendo alcançar até 3%.

A FecomercioSP apostava em elevação de 3%.

O Boletim Focus (do mercado financeiro) de 28 de dezembro de 2018 jogou a estimativa para 2,55%.

Mas o Oscar vai para José Márcio Camargo, economista da Genial Investimentos, interlocutor frequente de Paulo Guedes, que acreditava em um avanço de 3,5% na atividade econômica em 2019.

2 – Dólar comercial – R$ 4,01

Alessandra Ribeiro, economista e sócia da Tendências Consultoria, projetou dólar no fim de 2019 cotado a R$ 3,75.

Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados, projetou R$ 3,80.

O Boletim Focus estimava em R$ 3,80.

O vencedor do Oscar foi o banco Credit Suisse, que acreditava que, com Bolsonaro eleito, o dólar poderia cair para abaixo de R$ 3,50.

3 – Produção industrial – queda de 1,1%

Para a CNI, a indústria, com expansão de 3%, lideraria o crescimento em 2019.

O Boletim Focus, mais radical, estimava que a produção industrial cresceria 3,19%.

Os dois dividem o Oscar, pela magnitude do erro.

Não é motivo para ninguém se inibir. Começa o ano e novas previsões são lançadas, pelos mesmos atores. Sempre se poderá culpar o coronavírus.

Texto originalmente publicado no Monitor Mercantil


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum