Fórum Educação
26 de junho de 2019, 14h01

Sargento preso na Espanha com cocaína voltaria no avião de Bolsonaro para o Brasil

Segundo general Hamilton Mourão, presidente em exercício enquanto Bolsonaro está no Japão, militar acompanharia presidente a partir da Espanha

Embraer-190 da FAB usado como reserva em viagens presidenciais (Sgt Johnson - 17.ago.2017/Força Aérea Brasileira/Flickr)

O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quarta-feira (26) que o militar preso na Espanha com 39 kg de cocaína no avião presidencial reserva voltaria ao Brasil com o presidente Jair Bolsonaro. O sargento da aeronáutica M.R.S., de 38 anos, detido em Sevilha acusado de narcotráfico internacional nesta terça-feira (25), embarcaria na cidade espanhola na volta da comitiva do presidente ao Japão.

“Quando tem essas viagens, vai uma tripulação que fica no meio do caminho, então quando o presidente voltasse agora do Japão, essa tripulação iria embarcar no avião dele. Então seria Sevilha-Brasil”, disse Mourão a Gustavo Maia, do jornal O Globo, e outros jornalistas no palácio do Planalto.

Mourão ainda comentou a falha grave de um militar embarcar com a quantidade de droga em um avião da FAB (Força Aérea Brasileira). Segundo ele, o avião no qual o sargento viajou não era o avião presidencial, e lavaria somente pessoal de apoio.

“O avião que o presidente decolou ontem decola um pouco antes, para ver se está tudo ok, ele desce e ele é lacrado. Ele só é aberto novamente quando o presidente e a equipe dele estão para embarcar”, comentou.

Mais cedo, Mourão havia afirmado à rádio Gaúcha, filiada da Globo no Estado, que o militar flagrado com 37 pacotes de cocaína em sua mala “será julgado por tráfico internacional de drogas e vai ter uma punição bem pesada”. O presidente em exercício disse também que este episódio não é o primeiro do tipo na Marinha, no Exército ou na Aeronáutica.

Tentando se descolar da história, o avião onde viaja Jair Bolsonaro fez escala em Lisboa, Portugal, e não em Sevilha, onde era planejado. O Airbus-319 presidencial requer duas escalas para chegar ao Japão.

Segundo a Guarda Civil espanhola, pelas leis do país o sargento deve prestar depoimento a um juiz em até 72 horas, algo semelhante às audiências de custódia brasileira. O órgão, responsável pela detenção do militar, não soube explicar à Fórum se ele será extraditado.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum