Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de setembro de 2019, 16h21

Secretário de Witzel impediu afastamento de Gabriel Monteiro, o PM youtuber, da corporação

A interferência do secretário na decisão da Corregedoria da PMERJ fez o corregedor-geral, coronel Joseli Cândido da Silva, se demitir do posto

O PM Gabriel Monteiro (Foto: Reprodução/ YouTube)

O policial militar, ativista do MBL e youtuber Gabriel Monteiro conseguiu se manter na Polícia Militar do Rio de Janeiro após a atuação do Secretário de Estado de Polícia Militar, o coronel Rogério Figueiredo de Lacerda, nomeado pelo governador Wilson Witzel em janeiro deste ano. O afastamento de Monteiro foi recomendado pela Corregedoria da PMERJ, mas foi vetado pelo secretário. Isso fez o corregedor abandonador o posto.

“O militar em tela ostenta uma ficha disciplinar extensa, demonstrando ineficiência no exercício da função e descompromisso com o serviço militar”, diz trecho da decisão da Corregedoria publicada em 27 de agosto deste ano, que comenta ainda sobre a atuação do policial no MBL. Na denúncia apresentada pelo coronel da PM, Marcos Paes, por “desobediência hierárquica”, o argumento seria o uso de palavras ofensivas contra a instituição em redes sociais, conduta irregular, ineficiência no cumprimento da função, além de faltas ao serviço para envolvimento em manifestações políticas do MBL.

A sugestão assinada pelo corregedor retirava o porte de arma do youtuber, o encaminhava para a Comissão de Revisão Disciplinar e determinava o recolhimento da identidade do PM e emissão de uma provisória, sem a identificação como policial. Essa medida, no entanto, foi suspensa por Lacerda após intensa pressão do MBL.

“O Secretário de Estado de Polícia Militar, Gen Figueredo, reavaliou a decisão que submeteu o Sd Gabriel Luiz Monteiro de Oliveira ao Conselho de Revisão Disciplinar (CRD). A anulação do ato será publicada no Boletim da Corporação dessa quinta-feira, 29/08”, publicou a PMERJ no Twitter.

A interferência do comandante descontentou o corregedor-geral da PM, o coronel Joseli Cândido da Silva, que pediu exoneração logo depois do caso. De acordo com a assessoria de imprensa da corporação, a decisão da sua saída foi pessoal, mas nos bastidores o que se diz é que a causa foi exatamente a anulação do ato, como aponta O Globo.

Hoje, Monteiro está à disposição do deputado estadual Filipe Poubel (PSL-RJ) e não atua nas ruas – membros do 12º Batalhão, da cidade de Niterói, criticaram a “boquinha”.

O PM tem ganhado visibilidade na política do Rio de Janeiro causando polêmicas ao produzir vídeos no mesmo estilo do youtuber e deputado estadual Athur do Val (DEM-SP), do Mamãefalei. Neste domingo (22), ele ficou marcado por agredir um jovem da Marcha das Favelas durante o enterro da menina Agatha Félix, de 8 anos. Gabriel foi ao velório para defender que não foi a Polícia Militar que matou a jovem, atingida por um tiro de fuzil da PM enquanto voltava para casa com seu avô.

Confira a decisão da Corregedoria:

Reprodução

Reprodução

Reprodução

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum