Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
06 de junho de 2019, 12h43

Senado aprova projeto que abre saneamento básico à empresas privadas

O projeto é criticado, no entanto, por favorecer a iniciativa privada, que teria interesse em municípios mais ricos, com capacidade de gerar lucros às empresas interessadas em fornecer o serviço, em detrimento de municípios menos rentáveis, que hoje recebem subsídio e poderiam perder essa ajuda

O relator Tasso Jereissati - Foto: Geraldo Magela/Agência Senado

O Senado aprovou, nesta quinta-feira (6), o Marco Regulatório do Saneamento Básico. O texto segue agora para a Câmara dos Deputados. A proposta abre caminho para a exploração privada dos serviços de saneamento e define que cabe à ANA (Agência Nacional de Águas) regular o setor.

O Projeto de Lei 3.261/2019 foi apresentado pelo senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) com a justificativa de que, considerando a importância da universalização do saneamento básico e diante da crise fiscal por que passa o Estado brasileiro, é fundamental criar condições para uma maior participação do capital privado no setor, e defende que “ampliar a concorrência pelos mercados de saneamento induzirá a melhoria da qualidade dos serviços”.

O projeto é criticado, no entanto, por favorecer a iniciativa privada, que teria interesse em municípios mais ricos, com capacidade de gerar lucros às empresas interessadas em fornecer o serviço, em detrimento de municípios menos rentáveis, que hoje recebem subsídio e poderiam perder essa ajuda. “como ficarão esses municípios que dependem dos subsídios cruzados; é possível acreditar que a iniciativa privada terá interesse de cuidar do saneamento básico desses municípios, mesmo eles gerando menos lucros?”, questiona a colunista da Revista Fórum Elika Takimoto.

Em maio deste ano, Jereissati já havia sido acusado de querer privatizar a água no país, sendo chamado de “Senador Coca-Cola”. Com um patrimônio estimado em R$ 400 milhões, declarado em 2014, Tasso Jereissati faz parte do Grupo Jereissati, que comanda a Calila Participações, única acionista brasileira da Solar, uma das 20 maiores fabricantes de Coca-Cola do mundo. Foi da Solar que saiu a maior doação de campanha para Jereissati: R$1,5 milhão. A empresa tem 12 mil empregados, que seu site chama de “colaboradores”, que trabalham em 13 fábricas e 36 centros de distribuição.

Para os defensores da ideia, o marco seria um avanço que vai permitir a melhora do setor e a maior cobertura para a população. O senador Eduardo Braga (MDB-AM) lembrou da má experiência da privatização do serviço em Manaus e disse que o modelo adotado pela capital amazonense não serve de exemplo para o restante do país.

“Vinte anos se passaram, e as metas continuam não cumpridas na área de esgoto, apesar de a tarifa estar sendo cobrada. Em relação ao abastecimento de água, só foi possível cumprir as metas graças a um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). Por essas experiências é que nós procuramos agora ajudar a elaborar um texto que atendesse não só grandes regiões com potencial econômico, mas os municípios do interior do Brasil”, afirmou.

Sete alterações foram feitas ao projeto inicial: uma para garantir a prestação dos serviços nas regiões mais afastadas do país, com a realização de licitações em blocos de municípios, reunindo cidades mais e menos rentáveis; e outra para permitir a contratação da empresa estadual sem licitação, caso não haja interesse privado ou a proposta não seja melhor para os cofres públicos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum