Fórumcast, o podcast da Fórum
20 de setembro de 2019, 19h40

Servidora que denunciou racismo na Prefeitura de BH é exonerada

Etiene Martins foi alvo de racismo, denunciou e acabou sendo demitida pela prefeitura de Belo Horizonte

Reprodução/Facebook

A servidora pública Etiene Martins, gerente de Prevenção à violência e criminalidade juvenil na Secretaria de Segurança e Prevenção de Belo Horizonte, foi exonerada nesta quarta-feira (18) pelo prefeito da capital mineira, Alexandre Kalil, cerca de dois meses depois de publicar texto nas redes sociais denunciando ataques racistas que recebeu durante a gestão.

“Pois é, depois de tudo quem o Prefeito Alexandre Kalil exonera? Eu, a mulher negra que não abaixa a cabeça e consciente dos seus direitos e de sua competência afronta o racismo. […] São quinhentos anos contando uma história repetida. E na Prefeitura de Belo Horizonte o racismo é institucional e oficial assinado pelo Alexandre Kalil”, disse Martins em publicação.

Na postagem ela também relembra os dois casos de racismo mais graves que sofreu e destaca que os dois servidores continuam atuando na prefeitura. “Quem ele mantem em seu quadro trabalhando armado? O guarda Luzardo Damasceno que diz pra quem quiser ouvir que preto bom é preto morto. Quem o Prefeito mantem recebendo 10 mil reais por mês como cargo de sua inteira confiança? A diretora Márcia [Cristina Alves] racista que escreve e-mail dizendo que mulher preta tem mesmo é que limpar chão”, denunciou.

Os dois casos foram levados à Corregedoria da Prefeitura, mas não apresentaram progressos. A agressão feita por Márcia Cristina, Diretora de Prevenção Social ao Crime e à Violência, veio quando ela decidiu abrir Boletim de Ocorrência contra o segurança, que disse que “preto bom é preto morto”.  Por meio de e-mail institucional, a diretora mandou a seguinte mensagem à gerente: “Depois da sua argumentação de hoje, você me fez constatar que para representar a SMSP (Secretaria Municipal de Segurança e Prevenção) é necessário um gerente branco como o Sebastião e o lugar de negra é limpando o chão”.

A exoneração foi publicada na edição do Diário Oficial do Município (DOM) da última quarta. Segundo Gabriel Ronan e Larissa Ricci, do Estado de Minas, a Prefeitura afirma que Martins pediu para ser exonerada no dia 3 de julho deste ano, antes das denúncias, mas a demissão foi negada até que a Corregedoria desse um parecer sobre o caso.

Na apuração, o guarda municipal foi absolvido e, segundo a corporação, ele passa por qualificação. A denúncia contra Maria Cristina está sendo apurada pela delegacia de crimes cibernéticos da Polícia Civil.

Publicado por Etiene Martins em Quarta-feira, 18 de setembro de 2019

 


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum