Ouça o Fórumcast, o podcast da Fórum
23 de fevereiro de 2018, 21h43

Tribunal condena Itaú por gerente usado como ‘escudo humano’ em assaltos

O funcionário sofreu quatro assaltos durante o trabalho e, sem receber nenhum auxílio do banco, desenvolveu distúrbios relacionados a pânico e depressão

Matéria publicada originalmente na Rede Brasil Atual

A 6ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região (TRT-2), em São Paulo, condenou o Itaú a pagar R$ 500 mil de indenização à família de um gerente usado como “escudo humano” durante assaltos à agência onde ele trabalhava. Os juízes entenderam que o funcionário do banco exercia atividade de risco. Desde 2003, segundo atestados médicos anexados ao processo, o autor tinha distúrbios relacionados a pânico e depressão.

“De acordo com uma testemunha, o empregado sofreu cerca de quatro assaltos durante o contrato de trabalho, tendo sido utilizado como escudo humano e o Itaú ‘não tomou nenhuma medida’ nem ofereceu ‘nenhum tipo de apoio após o assalto'”, informa o TRT-2. “Em razão da violência sofria, o gerente foi acometido por síndrome do pânico, depressão e alcoolismo.”

Segundo um dos relatos, em um dos assaltos o funcionário “permaneceu várias horas em poder dos meliantes, na agência onde laborava, com uma arma de fogo apontada para a sua cabeça, sofrendo ameaças à sua vida e à de sua família”. O gerente alegou, no processo, que também desenvolveu lesões nos músculos, nervos e tendões, devido a movimentos repetitivos no trabalho. Requereu perícia, mas morreu antes que o exame fosse agendado.

Na primeira instância (71ª Vara do Trabalho), o juiz considerou que apenas uma perícia “poderia eventualmente demonstrar a existência de nexo de causalidade (ainda que indireto) entre as doenças noticiadas e as funções exercidas pelo reclamante durante o período contratual”. Segundo ele, não havia no processo elementos que pudessem demonstrar surgimento ou agravamento de doenças em consequência da atividade profissional.

A família recorreu à segunda instância, o TRT, que reformou a sentença. Para a 6ª Turma, o banco foi omisso por não ter apresentado prontuário médico do funcionários “e por ter negado os assaltos que geraram as doenças que, segundo os magistrados, possuem nexo causal com o trabalho”.

Assim, eles entenderam que o bancário foi vítima de violência e que o Itaú se omitiu quanto a um apoio pós-trauma. E fixaram indenização de R$ 350 mil a título de dano moral e R$ 150 mil referentes a salários e outros benefícios para o período de estabilidade.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum