Vaquinha de R$ 500 bancou ato que incendiou estátua de Borba Gato

Paulo Galo, que teve prisão preventiva prorrogada, disse que usou o dinheiro arrecadado para pagar o frete de transporte dos pneus e comprar dois galões de gasolina

O ativista Paulo Galo declarou, em depoimento à polícia, que o incêndio na estátua de Borba Gato, em São Paulo, foi bancado por recursos obtidos por meio de uma vaquinha, de acordo com reportagem de Herculano Barreto Filho, no UOL.

Galo disse que usou os R$ 500 obtidos no financiamento coletivo para pagar o frete de transporte dos pneus arrecadados em borracharias e comprar dois galões de gasolina.

Ele afirmou, ainda, que a ideia do manifesto surgiu depois que a distribuição de panfletos sobre Borba Gato não teve o resultado esperado pelos integrantes do grupo Revolução Periférica.

O ativista destacou que arquitetou a ação, que contou com a participação, direta ou indireta, de 30 ativistas. Ele e Danilo Silva de Oliveira, que também prestou depoimento, garantiram que não têm intenção de participar de outros atos do tipo.

Prisão prorrogada

Mesmo sem justificativas, o Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) prorrogou, por mais cinco dias, a prisão temporária de Galo. A decisão foi da juíza Gabriela Marques Bertoli, que atendeu a um pedido do delegado do 11° Distrito Policial de Santo Amaro, responsável pela investigação do caso.

“A decisão demonstra que o objetivo da juíza não é garantir o andamento da investigação. Me parece que o objetivo dela é antecipar uma pena, infelizmente, o que é vedado pela nossa Constituição”, afirmou, à Fórum, um dos advogados do ativista, André Lozano.

Avatar de Lucas Vasques

Lucas Vasques

Jornalista e redator da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR