Vídeo: Bolsonarista, dono de restaurante espanca crianças negras que vendiam balas em Campina Grande

Luiz Manuel Medeiros Costa, dono do restaurante Malibu, chegou a ser preso, prestou depoimento e vai responder por lesão corporal. Um dos meninos ficou com a orelhada lesionada

O empresário bolsonarista Luiz Manuel Medeiros Costa, de 60 anos, foi preso em flagrante nesta segunda-feira (21) em Campina Grande após espancar dois garotos negros que vendiam balas a clientes de seu restaurante, Malibu, em Campina Grande, na Paraíba.

Um dos meninos ficou com a orelha inchada por causa das agressões sofridas. Eles contaram às pessoas que estavam próximos o que havia ocorrido e a população revoltada chamou a polícia e protestou em frente ao restaurante.

O jornalista Heleno Lima registrou a abordagem policial e a revolta da população em seu site.

Costa prestou depoimento e foi liberado para responder em liberdade após ser feito um TCO (Termo Circunstanciado de Ocorrência), no qual consta o crime de lesão corporal. Ele vai responder a processo.

O menino que teve a orelha lesionada passou por exame de corpo de delito no IPC (Instituto de Polícia Científica), e, depois levado para a Central de Flagrantes, onde foi entregue ao pai.

Bolsonaro
Nas redes sociais, Luiz Medeiros faz parte de grupos de apoio, compartilha tuítes e não esconde sua simpatia pelo presidente Jair Bolsonaro.

Uma das publicações compartilhadas pelo empresário é de uma festa organizada pela primeira-dama, Michelle Bolsonaro, para crianças de projetos sociais, boa parte delas negras.

Medeiros também compartilhou um vídeo de em que Bolsonaro diz que Campina Grande é a “melhor cidade do Brasil”.

Publicidade
Avatar de Plinio Teodoro

Plinio Teodoro

Jornalista, editor de Política da Fórum, especialista em comunicação e relações humanas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR