Vídeo: Clientes geram tumulto por pedaços de carne em promoção no Extra em Fortaleza

Supermercado encerrará suas atividades no Brasil e lojas serão repassadas para a rede atacadista Assaí

No Brasil de Bolsonaro, onde o quilo de um corte nobre da carne bovina ultrapassa os R$ 40, clientes se aglomeram em lojas da rede de supermercados Extra para disputar um pedaço do alimento.

Um vídeo que viralizou nas redes sociais mostra um homem, que aparenta ser um funcionário do supermercado, arremessando produtos em direção ao grupo de clientes.

O episódio aconteceu nesta quarta-feira (12) em uma loja do bairro Parangaba, em Fortaleza, após a franquia colocar diversos itens em promoção antes do fechamento das unidades físicas no Ceará.

O influenciador digital Wecton Rivas, que estava no local e filmou o tumulto, afirmou que o pedaço de carne estava custando somente R$ 9,90.

Assista ao vídeo:

Das 103 lojas da rede, 70 pontos comerciais foram vendidos ao Assaí, e as demais 33 unidades serão convertidas em outros formatos do Grupo Pão de Açúcar ou fechadas. Por conta disso, as lojas estão em liquidação, com promoções em todas as seções e descontos de até 70%, que devem seguir até o dia 15 de janeiro (sábado) ou enquanto durarem os estoques.

Notícias relacionadas

Carne aumentou mais de 80% com Bolsonaro

Quando Jair Bolsonaro (PL) assumiu a Presidência da República e deu a Paulo Guedes o comando do Ministério da Economia, em janeiro de 2019, as carnes de primeira e segunda custavam pouco mais da metade de seu valor atual.

Segundo um levantamento do Procon-SP, o quilo de um corte nobre da carne bovina chegou a custar, em média, R$ 44,45 em novembro de 2021. Há quase três anos, o valor era R$ 24,19. Ou seja, desde o início da gestão Bolsonaro, houve um aumento superior a 80%.

Avatar de Carolina Fortes

Carolina Fortes

Repórter colaborativa no site Emerge Mag e antiga editora-assistente no site da Jovem Pan. Ex-repórter no site Elástica. Formada em jornalismo e faz a segunda graduação em Letras na Universidade de São Paulo (USP). Acredita no jornalismo como forma de impacto social e defende maior inclusão e representatividade.