VÍDEO: Wagner Moura faz apelo para que autoridades suspendam despejo no Quilombo Campo Grande (MG)

Polícia Militar ateou fogo no acampamento e sitiou as famílias, que agora estão sem acesso à alimentação; assista

Publicidade

O ator e diretor Wagner Moura divulgou um vídeo no início da noite desta quinta-feira (13), pelas redes sociais, em que faz um apelo para que “as autoridades de Minas Gerais suspendam imediatamente o despejo das famílias assentadas no Quilombo Campo Grande, que acordaram hoje com 50 viaturas policiais, helicópteros… Uma força policial grande, que destruiu inclusive a escola onde estudam as crianças da comunidade, obedecendo uma ordem de despejo no meio da pandemia do coronavírus”.

O clima segue tenso em Campo Limpo, Sul de Minas. Depois de destruir a escola das crianças, a Polícia Militar ameaça avançar sobre as casas dos assentados que resistem, há quase 40 horas, exigindo o fim da reintegração de posse.

Até agora, nenhuma casa ou produção foi atingida, mas as famílias estão sitiadas e sem acesso à alimentação. Além disso, passagens foram bloqueadas para impedir a aproximação da imprensa e de apoiadores dos trabalhadores rurais. Nesse momento, a ameaça é de que a tropa de choque entre em ação, como já foi anunciado.

A polícia segue de prontidão e há foco de incêndio perto do acampamento. Os trabalhadores dizem que o fogo é para cortar a energia elétrica e aumentar a pressão para que eles se retirem do local.

Assista ao apelo feito pelo ator e diretor Wagner Moura.

Avatar de Lelê Teles

Lelê Teles

Formado pela Universidade de Brasília, Lelê Teles é jornalista, roteirista e publicitário. É roteirista do programa Estação Periferia (TV Brasil) e da série De Quebrada em Quebrada (Prodav 09). Sua novela, Lagoas, foi premiada na Primeira Bienal de Cultura da UNE. Discípulo do Mestre Cafuna, prega o cafunismo, que é um lenitivo para a midiotia e cura para os midiotas.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR