Votação do Marco Temporal é suspensa novamente após Moraes pedir vista

Minutos antes, o ministro Nunes Marques votou favoravelmente à tese, mesma posição do presidente Jair Bolsonaro. Tema não tem prazo para voltar ao plenário do STF

A votação da tese do Marco Temporal para demarcações de terras indígenas foi suspensa outra vez nesta quarta-feira (15) no Supremo Tribunal Federal (STF), após um pedido de vista do ministro Alexandre de Moraes. Minutos antes, num voto que não surpreendeu a ninguém, o ministro Nunes Marques posicionou-se favoravelmente à visão jurídica de que só as terras indígenas ocupadas até a promulgação da Constituição de 1988 podem ser demarcadas. Esta é também a posição do presidente Jair Bolsonaro e da bancada ruralista no Congresso.

Após várias interrupções nas últimas semanas, o relator do caso, ministro Edson Fachin, votou contra a tese defendida pelo agronegócio na última quinta (9) e a sessão então foi suspensa, para ser retomada nesta tarde. O procurador-geral da República, Augusto Aras, deu parecer igualmente contrário à teoria defendida pelos grandes donos de terra.

Com o pedido de vista de Moraes, a retomada do julgamento do Marco Temporal não tem data definida e só retornará quando o ministro tomar a decisão sobre seu voto e liberar o caso de volta para o plenário da corte.

Notícias relacionadas

Avatar de Henrique Rodrigues

Henrique Rodrigues

Jornalista e professor de Literatura Brasileira.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR