WhatsApp admite envio ilegal de mensagens em massa nas eleições de 2018

Uma das suspeitas é que empresários apoiadores do então candidato Jair Bolsonaro (PSL) bancaram o disparo de mensagens em massa contra Fernando Haddad (PT)

O WhatsApp admitiu pela primeira vez que a eleição brasileira de 2018 teve uso ilegal de envio massivo de mensagens, com sistemas automatizados contratados de empresas.

“Na eleição brasileira do ano passado houve a atuação de empresas fornecedoras de envios maciços de mensagens, que violaram nossos termos de uso para atingir um grande número de pessoas”, afirmou Ben Supple, gerente de políticas públicas e eleições globais do WhatsApp, em palestra no Festival Gabo.

Reportagens da Folha de S.Paulo do ano passado já haviam revelado a contratação durante a campanha eleitoral de empresas de marketing que faziam envios maciços de mensagens políticas. Uma dessas reportagens noticiou que empresários apoiadores do então candidato Jair Bolsonaro (PSL) bancaram o disparo de mensagens em massa contra  Fernando Haddad (PT).

O TSE veda o uso de ferramentas de automatização, como os softwares de disparo em massa. Além disso, empresários contrataram disparos a favor e contra candidatos, sem declarar esses gastos à Justiça Eleitoral, o que configura o crime de caixa dois.

Bolsonaro chegou a apresentar uma ação ao TSE contra Haddad e a Folha, alegando que o então candidato do PT e sua vice, Manuela d’Ávila, teriam se aliado ao jornal para atacar sua campanha, principalmente com a reportagem que denunciou o impulsionamento de fake news em massa pelo WhatsApp. No entanto, a ação foi rejeitada por unanimidade pelo Tribunal.

Com informações da Folha de S.Paulo.

WhatsApp admite que eleições de 2018 tiveram envio ilegal de mensagens em massa

Avatar de Redação

Redação

Direto da Redação da Revista Fórum.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR