Imprensa livre e independente
16 de março de 2016, 08h32

Cardozo vê acusações de Delcídio como tentativa de vingança

Para o ministro da Advocacia-geral da União (AGU), as acusações a integrantes do governo e à própria presidenta Dilma Rousseff feitas pelo senador, em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal, são "inconsistentes".

Para o ministro da Advocacia-geral da União (AGU), as acusações a integrantes do governo e à própria presidenta Dilma Rousseff feitas pelo senador, em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal, são “inconsistentes” Por Ivan Richard, da Agência Brasil O ministro da Advocacia-geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, reafirmou ontem (15) que as acusações a integrantes do governo e à própria presidenta Dilma Rousseff feitas pelo senador Delcídio do Amaral (MS), em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal, são “inconsistentes” e fruto de vingança. Delcídio, que ainda pertence ao PT, pediu sua desfiliação hoje (15) ao diretório regional do partido. O pedido...

Para o ministro da Advocacia-geral da União (AGU), as acusações a integrantes do governo e à própria presidenta Dilma Rousseff feitas pelo senador, em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal, são “inconsistentes”

Por Ivan Richard, da Agência Brasil

O ministro da Advocacia-geral da União (AGU), José Eduardo Cardozo, reafirmou ontem (15) que as acusações a integrantes do governo e à própria presidenta Dilma Rousseff feitas pelo senador Delcídio do Amaral (MS), em delação premiada firmada com o Ministério Público Federal, são “inconsistentes” e fruto de vingança. Delcídio, que ainda pertence ao PT, pediu sua desfiliação hoje (15) ao diretório regional do partido. O pedido ainda precisa da homologação do Tribunal Regional Eleitoral.

Em entrevista ao programa Espaço Público, da TV Brasil, Cardozo disse ainda não haver elementos para o impeachment de Dilma, afirmou acreditar na inocência do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, acusado de lavagem de dinheiro e falsidade ideológica pelo Ministério Público de São Paulo, e admitiu estar decepcionado com atitudes de colegas de partido.

Para o ministro, a deleção premiada de Delcídio atinge não somente o governo, mas também a oposição e empresários. “Da parte do governo, a verdade é que sabíamos dos fatos. E são fatos muito pouco consistentes, que mostram, na verdade, um desejo claro e evidente do senador Delcídio Amaral de se vingar do governo porque o governo não se movia para tirá-lo da cadeia. As retaliações vieram e com absoluta inconsistência”, disse o ministro.

Veja também:  FMI faz terrorismo eleitoral na Argentina para favorecer Macri

Como exemplo de inconsistência, o ex-ministro da Justiça citou trecho da delação em que Delcídio se refere à compra da refinaria de Pasadena, no Texas (Estados Unidos, pela Petrobras. “Ele diz que a Dilma sabia de tudo de Pasadena. E ele diz que ela sabia porque ela é muito detalhista e centralizadora. Ora, francamente, isso é uma dedução. As atas demonstram que ninguém do Conselho de Administração da Petrobras sabia de todas as informações. Chega até ser patético”, avaliou Cardozo.

Impeachment

Para Cardozo, o pedido de impeachment da presidenta Dilma, em tramitação na Câmara dos Deputados, não apresenta fatos que justifiquem o impedimento. “Não há fatos para o impeachment. É legítimo que as pessoas saiam às ruas, que se manifestam, estamos em uma democracia. Mas, no presidencialismo, não basta ter uma situação episódica de impopularidade para se afastar um governo. Precisa-se de um fato imputável à presidenta e não há”, argumentou o ministro.

“Acredito no Legislativo e que há pessoas conscientes que respeitam a democracia e não vão querer passar para a história como golpistas”, acrescentou Cardozo.

Veja também:  Aos 95 anos, morre a mãe da ex-presidenta Dilma Rousseff

Lula

Perguntado sobre a situação de Lula, Cardozo disse confiar que o ex-presidente dará todas as explicações necessárias e demonstrar a inocência dele. “Eu conheço o presidente Lula desde que me conheço por gente e tenho uma confiança profunda na sua seriedade e na sua retidão. Tenho absoluta certeza que ele demonstrará que muitas acusações feitas contra ele não procedem. Pessoalmente, confio que ele dará as explicações corretas e devidas para que se mostre que não há nada que possa imputá-lo”, argumentou Cardozo.

Sobre a possibilidade de Lula assumir um ministério, Cardozo avaliou que Lula poderá “contribuir muito” com o governo.

PT

Sobre o PT, José Eduardo Cardozo disse sentir-se decepcionado não com a legenda, mas com colegas de partido. Para o ministro, o PT deve aproveitar esse momento de crise para se reinventar. “[Decepcionado] com o PT não, com algumas pessoas sim. É preciso separar a instituição e as pessoas. A generalização que se faz é ruim. Algumas pessoas me decepcionaram, mas o partido não. É aquele que eu conheci, que eu defendo, que eu acredito”, disse Cardozo.

Veja também:  Joice Hasselmann toma invertida de Glenn: "Ninguém pode saber se a deputada escreveu as mensagens ou copiou-as"

“Nas crises que nascem energias necessárias para a correção de situações. Tenho absoluta certeza que o PT tem energia suficiente para aprender com os erros de alguns filiados e dirigentes e possa partir para um novo patamar daquilo que são suas bandeiras históricas”.

PMDB

Sobre a relação do governo com o PMDB, do vice-presidente Michel Temer, Cardozo acredita que a legenda não vá abandonar o governo. “Não acredito [na saída do PMDB do governo]. O PMDB e o PT têm uma parceria histórica. O vice presidente pertence ao PMDB, temos vários ministros, ou seja, o PMDB é governo. Temos responsabilidade pelo que esse governo foi, é e será. Não acredito que o PMDB terá uma postura que não corresponda com sua historia democrática”.

O programa Espaço Público foi ao ar ontem (15), às 23h, na TV Brasil.

Foto de capa: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum