Imprensa livre e independente
20 de dezembro de 2014, 11h05

Cassação de Bolsonaro fica para o próximo presidente da Câmara

O atual presidente da Casa, Henrique Alves (PMDB), declarou que ação “constrangedora” fica para o seu sucessor

O atual presidente da Casa, Henrique Alves (PMDB-RN), declarou que ação “constrangedora” fica para o seu sucessor Por Marcelo Hailer O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), declarou nesta quinta-feira (18) que a decisão de arquivar ou dar continuidade ao processo de cassação do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) ficará a cargo do próximo presidente da Câmara dos Deputados. Henrique Alves revelou que o processo aberto pelo Conselho de Ética contra Bolsonaro não chegou à mesa diretora e que será uma tarefa “constrangedora, mas necessária do futuro do comando desta Casa. Ainda não chegou à Mesa. Não chegará à...

O atual presidente da Casa, Henrique Alves (PMDB-RN), declarou que ação “constrangedora” fica para o seu sucessor

Por Marcelo Hailer

O presidente da Câmara, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), declarou nesta quinta-feira (18) que a decisão de arquivar ou dar continuidade ao processo de cassação do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) ficará a cargo do próximo presidente da Câmara dos Deputados.

Henrique Alves revelou que o processo aberto pelo Conselho de Ética contra Bolsonaro não chegou à mesa diretora e que será uma tarefa “constrangedora, mas necessária do futuro do comando desta Casa. Ainda não chegou à Mesa. Não chegará à Mesa. O Conselho de Ética terá que se reunir, apreciar e encaminhar. Eu acho que ele (Conselho de Ética) não vai se reunir”, disse o deputado ao G1.

O recesso da Câmara dos Deputados termina em fevereiro, quando deve se dar a disputa pela presidência da Casa. Dois nomes disputam: Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e Arlindo Chinaglia (PT-SP). Se a presidência da Câmara ficar com Chinaglia, há a tendência de que o processo de cassação contra Bolsonaro vá adiante, pois, o deputado petista não vai poder se furtar em uma ação que envolve diretamente uma colega de bancada, a deputada Maria do Rosário (PT-RS). Agora, se o deputado do PMDB ganhar a disputa, é praticamente fato o arquivamento da ação. O histórico político do parlamentar é autoexplicativo.

Veja também:  "Quem manda sou eu", diz Bolsonaro após Marcha para Jesus

Em entrevista à Fórum, o advogado especialista em Direitos Humanos, Dimitri Sales, declarou que não acredita na cassação de Jair Bolsonaro e que, apenas “muita mobilização popular” é que fará com que o parlamentar seja cassado. “Precisaríamos mobilizar muito a sociedade, no estilo do que foi a votação da “cura gay”, que todo mundo foi para as ruas e resultou na retirada da pauta no Congresso Nacional. Eu não acho que a gente consiga essa mobilização, por conta disso. Agora, essa minha avaliação não impede que a gente grite e mostre para a sociedade que esse cara é um maluco e que esse tipo de postura não pode ser aceita”, disse.

“Você não merece ser estuprada”

Em sessão sobre o Dia Internacional dos Direitos Humanos, a deputada federal Maria do Rosário foi ao plenário defender os trabalhos finais da Comissão da Verdade e criticar os crimes de tortura. Posteriormente, Jair Bolsonaro tomou a palavra para defender os militares e pediu que a parlamentar permanecesse. Aos gritos, disse que não a estupraria porque ela “não merece”.

PT, PSOL, PCdoB e PSB entraram com uma ação coletiva no Conselho de Ética onde pedem a cassação de Bolsonaro por quebra de decoro parlamentar. Maria do Rosário entrou com uma queixa crime contra o parlamentar no Supremo Tribunal Federal (STF).

Veja também:  Maria Rita vai para cima de Moro: "acha que o povo é trouxa"

Por fim, é preciso lembrar que Jair Bolsonaro é reincidente, pois, em 2003 empurrou e chamou a deputada Maria do Rosário de “vagabunda”. À época, os processos foram arquivados. Se o Congresso arquivar ou votar pela não cassação de Bolsonaro vai apenas confirmar que coaduna ou, no mínimo, é cúmplice das atitudes e posições políticas do deputado.

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum