Imprensa livre e independente
31 de maio de 2016, 14h46

Centrais Sindicais recusam acordo de idade mínima

Trabalhadores entregarão propostas para o governo até o dia 10 de junho Por Redação Integrantes de quatro centrais sindicais se recusaram a negociar com o governo mudanças na idade mínima para a aposentadoria. No início das negociações, havia uma inclinação a aceitar a proposta, desde que ela começasse a valer apenas para pessoas que ainda vão ingressar no mercado de trabalho. Os sindicalistas estão trabalhando em quatro propostas centrais: o fim das desonerações na folha de pagamento, cobrança de contribuição previdenciária de times de futebol, legalização de jogos de azar com taxação dos lucros e o fim da contribuição diferenciada do agronegócio....

Trabalhadores entregarão propostas para o governo até o dia 10 de junho

Por Redação

Integrantes de quatro centrais sindicais se recusaram a negociar com o governo mudanças na idade mínima para a aposentadoria. No início das negociações, havia uma inclinação a aceitar a proposta, desde que ela começasse a valer apenas para pessoas que ainda vão ingressar no mercado de trabalho.

Os sindicalistas estão trabalhando em quatro propostas centrais: o fim das desonerações na folha de pagamento, cobrança de contribuição previdenciária de times de futebol, legalização de jogos de azar com taxação dos lucros e o fim da contribuição diferenciada do agronegócio.

A CUT e a CTB, que representam mais de 5 milhões de trabalhadores, se recusaram a negociar com o governo interino.

Foto de capa: Agência Brasil

Veja também:  Intervenção de Bolsonaro cancela vestibular para LGBTs em universidade federal

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum